quarta-feira, 02 setembro, 2015. 14:49 UTC

Notícias / Mundo

Milhões de empregadas domésticas exploradas e mal pagas

Metade das empregadas domésticas não têm limite às horas de trabalho e 45% não têm direito a descanso semanal, ou férias pagas. Só metade têm salário mínimo.

Empregada doméstica em Kuala Lumpur, Malásia
Empregada doméstica em Kuala Lumpur, Malásia

Multimédia

Áudio
  • Exploração das empregadas domésticas é preocupante

Lisa Schlein
Cinquenta e dois milhões de pessoas em todo o Mundo são empregadas domésticas e a maioria não tem qualquer protecção legal, conclui um estudo da Organização Internacional do Trabalho (OIT) divulgado em Genebra.

A OIT revela que a maioria dos empregados domésticos são mulheres, as suas condições de trabalho são más e a protecção legal é inadequada. A directora-geral da Organização, Sandra Polaski, nota que as domésticas são particularmente vulneráveis à discriminação e outras violações dos seus direitos.

"As empregadas domésticas internas, em particular, são frequentemente expostas a abusos físicos, mentais e sexuais bem como restrições aos seus movimentos. Os trabalhadores migrantes enfrentam vulnerabilidades acrescidas de exploração de abuso", afirmou Polaski.

O relatório da OIT assenta na análise de três tipos de condições de trabalho: horário, salário mínimo e pagamentos em género, e protecção à maternidade. A legislação em vigor na maioria dos países não oferece protecção adequada.

A Organização Internacional do Trabalho concluiu que apenas 10% de empregadas domésticas estão abrangidas por legislação laboral semelhante à que se aplica a restantes trabalhadores. Mais de 25% não estão abrangidas por qualquer tipo de legislação laboral.

Metade das empregadas domésticas não têm limite às horas de trabalho e 45% não têm direito a descanso semanal, ou férias pagas. Só metade têm salário mínimo e mais de um terço não tem protecção na maternidade.

Estatísticas oficiais citadas pela OIT apontam a Ásia e Pacífico, Caraíbas e América Latina como as regiões com o maior número de empregadas domésticas. No total 7,5% de todas as mulheres no planeta são empregadas domésticas. No Médio Oriente 34% de todas as mulheres trabalhadoras têm essa profissão.

Notando que estas estatísticas são conservadoras, a Organização Internacional do Trabalho diz que os dados oficiais de cada país nunca dão uma imagem completa da situação.

Martin Oetz, especialista em condições de trabalho, diz que esse o caso em África, onde segundo as estatísticas oficiais só há 5,2 milhões de empregadas domésticas.

"Em geral, isto tem a ver com o facto de o trabalho doméstico e os serviços prestados por empregados domésticos não serem considerados como trabalho formal. E é por isso que os dados oficiais subestimam ou subcontabilizam o número de empregadas domésticas em África. África é um continente onde o trabalho doméstico está muito disseminado e é muito comum", esclareceu Martin Oetz.

Quando se comparam continentes e regiões, a Ásia e o Médio Oriente oferecem as protecções mais fracas. Mas há optimismo na OIT. Desde a adopção da Convenção Sobre Trabalho Doméstico, em 2011, vários países adoptaram legislação em conformidade… 13 países já adoptaram ou vão adoptar reformas laborais: Áustria, Bahrain, Brasil, Chile, Espanha, Índia, Indonésia, Namíbia, Paraguai, Singapura, Tailândia, Vietname e Zâmbia.
O forúm foi encerrado
Comentário
Comentários
     
por: mayala de: uige
11.01.2013 10:22
Dizem que na República da Namíbia todo o indivíduo que empregar alguem deve consultar a tabela de salários nacional e enquadra-lo na categoria correpondente.
Angola deveria seguir o mesmo exemplo, se assim for.

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Qui 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sexta-feira 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Diário de um YALI (III): Joel Almeida perdido em Nova Iorquei
|| 0:00:00
...  
🔇
X
02.09.2015 09:15
Desafiámos o Joel a contar-nos os seus dias e cada dia que passa é uma aventura. Perder-se em Nova Iorque tem sido uma constante. O Joel está na cidade da grande maçã para um estágio de 2 meses dentro do programa Young African Leaders Initiave, criado por Barack Obama
Vídeo

Vídeo Diário de um YALI (III): Joel Almeida perdido em Nova Iorque

Desafiámos o Joel a contar-nos os seus dias e cada dia que passa é uma aventura. Perder-se em Nova Iorque tem sido uma constante. O Joel está na cidade da grande maçã para um estágio de 2 meses dentro do programa Young African Leaders Initiave, criado por Barack Obama
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 1 Setembro 2015

Milahres dançam no festival tradicional suazi
Vídeo

Vídeo Manchetes americanas 1 Setembro 2015

Ben Carson, um novo Obama?
Vídeo

Vídeo Diário de um YALI (II): Joel Almeida e a visita à Estátua da Liberdade

Esta é a 2ª partilha de Joel e como seria de esperar Nova Iorque não é um lugar fácil. A ida à estátua da Liberdade provou ao Joel que um GPS pode ser tudo na vida.
Vídeo

Vídeo Diário de um YALI (I): Joel Almeida e a primeira aventura em Nova Iorque

Joel Almeida, de Cabo Verde, é designer de jogos e tem uma start-up. Participou no programa YALI por 6 semanas e dentro da mesma iniciativa está entre os 100 escolhidos para fazerem um estágio nos Estados Unidos durante 2 meses. Joel está em Nova Iorque e aceitou o desafio de nos contar os seus dias
Vídeo

Vídeo Furacão Fred em Cabo Verde: Pontão na ilha do Sal

Vídeo gentimente cedido por José Manuel da Cruz, retratando a força das ondas por consequência da passagem do furacão Fred
Vídeo

Vídeo Furacão Fred em Cabo Verde: Ilha do Sal

Vídeo gentilmente cedido por Carlos Chaves, no Sal, que sofre com a passagem do furacão Fred pela ilha
Mais Vídeos