sábado, 02 agosto, 2014. 00:23 UTC

Notícias / Angola

Angola: Comissão de inquérito à tragédia da IURD debaixo de fogo

Advogado diz que vários membros da comissão podem ser eles próprios responsáveis.

Venâncio Rodrigues
A comissão de inquérito anunciada pelo Presidente José Eduardo dos Santos para investigar a tragédia da noite de fim de ano em Luanda em que morreram 16 pessoas, foi criticada por ser composta por várias pessoas que poderão estar abrangidas na própria investigação.



O advogado Pedro Capracata  disse em Luanda  que  os  Ministros   do Interior, da Cultura,  dos Desportos  bem como o governador de Luanda,  não deviam integrar  a comissão de  inquérito criada  ontem pelo Presidente da República  para investigar   as causas que deram origem à tragédia no dia 31 de Dezembro de 2012,  de que resultou a morte de 16 pessoas e mais de 100 feridos.

No entender do advogado angolano algumas as entidades indicadas pelo Chefe de Estado fazem parte do objecto de inquérito  não podendo  ser juízes de  causa própria.
“ O inquiridor deve ser um órgão neutro como é o caso do Ministério da Administração do Território  e da Justiça, mas nunca aqueles órgãos  que têm responsabilidades por aquilo que se passou,” disse.

O Presidente da República, José Eduardo dos Santos, criou esta Comissão de Inquérito com o objectivo de investigar as mortes  que resultaram da vigília  do "Dia do fim", promovida pela Igreja Universal do Reino de Deus no estádio da Cidadela Desportiva, em Luanda.

A  comissão é coordenada pelo ministro do Interior, Ângelo de Veigas Tavares, tendo como coordenadora-adjunta a ministra da Cultura, Rosa Cruz e Silva.

Integra ainda os ministros da Administração do Território, Bornito de Sousa, da Justiça, Rui Mangueira, da Saúde, José Van-Dúnem, da Juventude e Desportos, Gonçalves Muandumba, e o governador da província de Luanda, Bento Bento.

A comissão é apoiada por um grupo técnico, coordenado pelo secretário de Estado do Interior, integrando representantes das entidades supracitadas, e deve apresentar o relatório do resultado dos seus trabalhos ao Presidente da República no prazo de 15 dias.

  Entretanto  três das  vítimas do incidente  foram hoje a enterrar no Cemitério da Sant' Ana.
O forúm foi encerrado
Comentário
Comentários
     
por: Savimbista
07.01.2013 17:35
Em latin diz- se:« Nemo iudex in re sua » : quer dizer Ninguêm pode ser juízes de causa própria. Esses minitros e Gorvernador de luanda não deviam integrar a comissão de inquérito porque sâo responsavel da morte de 18 nossos comteranios sinâo é uma justiça de duas velocidades


por: Olim de: Deutschland
06.01.2013 10:44
Eu sou uma pessoa ateista mas respeito todos aqueles que tenham a sua convicção religiosa e sua crença , mas para mim é sinceramente incomcebivel que esta tragédia possa ter acontecido acho que neste caso a culpabilidade deve cair directamente aos reponsáveis desta seita religiosa porque como toda a gente o sabe esta seita sempre foi e continuará a ser uma máquina de fazer dinheiro em várias partes do mundo existem exmplos concretos pelo que escrevo.
E como sempre nunca assumem erro nenhum e tentam sempre culpar terceiros , são estes individuos que se aproveitam da humildade dos pobres e menos esclarecidos vindo com palavras de esperança para um futuro melhor quando eles próprios o sabem que os povos dos Países pobres são na realidade aqueles que esperam pela fé religiosa uma melhoria de vida quando este factor nada tem haver com a realidade da vida , na minha opinião pessoal deveriam eles serem punidos e responsáveis directos pela perca de tantas vidas inocentes pela sua ganância a estes sim lhes chamo de assassinos .


por: Zeka Myanga de: Morro Bento-Luanda
05.01.2013 23:53
O que é que os Ministros têm a ver com os acontecimentos se a igreja alugou s instalações para 70000 pessoas?Por que não abrir inquerito à queima de bruxas pela Unita na Jamba?
Será que a Unita até com mortos quer fazer politica?


por: ADELINO de: UK
04.01.2013 19:21
Na verdade isto e um caso que ninguem deve ignorar seja contra o meu pai meter num local preparado para 70.000 pessoas deixaram entrar segundo informacao 250.000 mas ate podia ser o dobro que ja era gente a mais que me desculpem os bispos e pastores mas isto e total falta de responsabilidade estamos a falar de pessoas nao sao carneiros nem bois nao foi assim que na biblia disse para tratar os fieis tem que ser dada a devida penalizacao para que de futuro isto nao va acontecer noutro lado haja um pingo de consciencia que neste caso nem la passou eu frequenta a igreja universal mas ha coisas que eu nao compactuo nem que elas levem acucar errou tem que ser punido nao ha outra maneira as minhas condolencias as familias enlutadas pois mais nada posso fazer e bom ano a todos e que DEUS nos proteja e acolha todos estes fieis q aqui acabaram tao tragicamente sua viagem por este mundo

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Sexta 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Manchetes Africanas 1 Agosto 2014i
X
01.08.2014 20:33
Os títulos que marcaram o início do mês de Agosto
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 1 Agosto 2014

Os títulos que marcaram o início do mês de Agosto
Vídeo

Vídeo Ivan Collinson - Participante Yali

Ivan Collinson - Participante Yali. Veio de Moçambique e é director adjunto do registo académico da Universidade Eduardo Mondlane. Ivan sente-se mais africano depois de participar na Iniciativa Jovens Líderes Africanos nos EUA
Vídeo

Vídeo Manchetes Americanas 31 Julho 2014

Câmara dos Representantes indicia processo contra Presidente Barack Obama
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 31Julho 2014

Da propagação do vírus do ébola, aos ataques do Boko Haram. Os títulos que marcam a actualidade de África
Vídeo

Vídeo Cadija Mané - Participante Yali

Cadija Mané - Participante Yali. Veio da Guiné-Bissau, onde trabalha como coordenadora da Casa dos Direitos. Regressa para a Guiné com mais determinação e força de vontade para mudar as coisas
Vídeo

Vídeo Vilma Nhambi - Participante Yali

Vilma Nhambi - Participante Yali. Veio de Moçambique e tem um projecto com mulheres e adolescentes nas zonas rurais.
Vídeo

Vídeo Selma Neves - Participante Yali

Selma Neves - Participante Yali, veio de Cabo Verde. É Presidente da Incubadora, uma cooperativa de empoderamento de mulheres e fica por mais dois meses para um estágio em Nova Iorque
Vídeo

Vídeo Manchetes Americanas 29 Julho 2014

Os principais assuntos que fazem a actualidade dos Estados Unidos da América, com Bruna Ladeira
Vídeo

Vídeo Majo Joseph - Participante Yali

Majo Joseph - Participante Yali veio de Moçambique e a sua área de acção é a sociedade civil e seu empoderamento
Vídeo

Vídeo Akiules Neto - Participante Yali

Akiules Neto - Participante Yali. Veio de Angola e a sua vida são os números
Mais Vídeos