quarta-feira, 16 abril, 2014. 16:09 UTC

Notícias / África

Ramaphosa garante moderação na política do ANC - analista sul africano

Novo vice presidente deverá assumir cada vez mais responsabilidade pela governação diária.

Tudo bem. Cyril Ramaphosa (à esquerda) com o presidente Jacob Zuma
Tudo bem. Cyril Ramaphosa (à esquerda) com o presidente Jacob Zuma
Tamanho das letras - +
João Santa Rita
A escolha de Cyril Ramaphosa para vice presidente do Congresso Nacional Africano da África do Sul, significa que o país vai seguir nos próximos anos uma política moderada, disse á Voz da América o analista André Thomashausen da Universidade da África do Sul.


Ramaphosa foi eleito para aquele posto no passado dia 18 de Dezembro e o Professor Thomashausen descreveu o novo vice líder to ANC como um homem “moderado e pragmático”.

A escolha, acrescentou, deverá agradar aos países ocidentais pois  a África do Sul  pode agora “prometer aos investidores  estrangeiros um política moderada e razoável para pelo menos uma década”.

Ramaphosa, de 60 anos de idade, fez o seu nome como organizador sindical durante a era do “apartheid” quando organizou o poderoso sindicato nacional dos mineiros e ajudou na formação da central sindical do país, COSATU

O actual vice presidente do ANC foi também um dos fundadores da United Democratic Front (UDF) uma força política interna que foi proibida pelo governo sul africano e substituída depois pelo Mass Democratic Movement.

Cyril Ramaphosa jogou um papel fundamental nas negociações que levaram ao fim do apartheid e à adopção da nova constituição mas em Janeiro de 1997 demitiu-se do ANC depois de ter perdido a corrida á presidência a favor de Thabo mbeki. Nessa altura ocupava o cargo de Secretário Geral do partido.

Fez desde então fortuna no sector privado e é considerado um dos homens mais ricos da África do Sul.

O Professor Thomashausen considerou que Ramaphosa deverá nos próximos anos assumir cada vez mais responsabilidade pelo dia a dia da governação enquanto o actual presidente Jacob Zuma passa a ter um papel formal como presidente.

Isso, recordou o professor, aconteceu já no segundo mandato de Nelson Mandela quando Thabo Mbeki assumiu a governação no seu dia-a-dia.

Mandela recebeu alta do hospital onde se encontrava na Quarta-feira.

Nelson Mandela no seu 94 aniversárioNelson Mandela no seu 94 aniversário
x
Nelson Mandela no seu 94 aniversário
Nelson Mandela no seu 94 aniversário
O professor Thomashausen disse que embora Mandela já não tenha qualquer papel activo na cena política permanece “um modelo, exemplo e como orientação” com políticos argumentado se uma determinada posição corresponde ou não á visão de Mandela.

“A influência que Mandela ainda tem é uma influência indirecta e espiritual, é uma influência de inspiração,” disse o Professor Thomashausen.
O forúm foi encerrado
Comentários
     
Năo existem comentários. Seja o primeiro

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Sexta 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Manchetes Africanas 15 de Abrili
|| 0:00:00
...
 
🔇
X
15.04.2014
Vídeo

Vídeo "Temos muitos problemas na Guiné-Bissau", Abel Incada, candidato presidencial

Os guineenses foram às urnas a 13 de Abril e estão expectantes num novo Governo de paz e estável
Vídeo

Vídeo África do Sul vai a votos a 7 de Maio

Na África do Sul, o ANC está em campanha difícil para segurar o seu domínio no Limpopo, onde ganhou 85 por cento dos votos em 2009.
Vídeo

Vídeo Pistorius está no banco dos réus e a acusação tem sido dura

Os acusadores tentaram descrever o atleta sul-africano Oscar Pistorius como egoísta e abusivo durante o segundo dia de interrogatório no seu julgamento por homicídio.
Vídeo

Vídeo A luta dos medicamentos baratos

O Governo da África do Sul vai aprovar reformas sobre propriedade intelectual – incluindo patentes de medicamentos – que para activistas de saúde poderão permitir que mais sul-africanos possam ter acesso a medicamentos genéricos,
Mais Vídeos