sábado, 02 agosto, 2014. 06:30 UTC

Notícias / África

Alerta contra o abandono de crianças nas grandes cidades africanas

A organização humanitária Save the Children alertou para os riscos de exploração, abuso e doença a que estão sujeitas as crianças nas grandes zonas urbanas da África.

Crianças nigerianas brincam na rua
Crianças nigerianas brincam na rua

Multimédia

Áudio
A organização humanitária Save the Children alertou para os riscos de exploração, abuso e doença a que estão sujeitas as crianças nas grandes zonas urbanas da África.

O relatório, intitulado Vozes da África Urbana: Impacto do Crescimento Urbano nas Crianças, estima que 200 milhões de crianças vivem nas zonas urbanas do Continente e que esse número está a aumentar.

Afirma-se no documento que “as políticas sociais e de desenvolvimento ignoram a realidade” do aumento das crianças a viver nos musseques e isso tem “um impacto devastador” nas suas vidas. Muitos governos, alerta o texto, ignoram os verdadeiros números de crianças nessa situação.

As cidades da região subsariana têm os mais altos índices de pobreza urbana do mundo e Carol Miller, uma responsável para África da Save the Children, diz que este estudo inclui entrevistas com mais de mil crianças na Etiópia, Mali, Malawi, África do Sul e Zâmbia.

“Quisemos dar voz às crianças” disse Miller, cujo relatório adverte que metade da população mundial vive em cidades e que em 2050 essa percentagem aumentará para 65%. Em África, dentro de 20 anos, haverá mil milhões de pessoas a viver nas cidades.

"África tem o maior crescimento da população jovem do Mundo, no grupo etário entre os 15 e os 24 anos. E esse crescimento fez-nos parar para pensar: O que estamos a fazer? O que devíamos estar a fazer para termos um impacto positivo na vida das crianças?", diz Miller

De acordo com Carol Miller é preciso adoptar quatro tipos de medidas para defender as crianças nas zonas urbanas: saúde e nutrição; meios de subsistência; educação; e protecção à criança. Esta foi a direcção apontada por organizações africanas.

"Quando falamos com organizações não-governamentais em África, ouvimos o problema das crianças desacompanhadas, das crianças de rua", disse Carol Miller prosseguindo: "Ouvimos falar de terminais de autocarros em Adis Abeba, onde há pessoas à procura de crianças sózinhas para abusarem delas. Ou a família no Malawi onde há quatro crianças que não vão à escola, sozinhas que vivem na rua a pedir e que, de vez em quando recém algum dinheiro de um tio."

A urgência da protecção das crianças nas cidades, deve-se à total ausência de estruturas de apoio. Nas zonas rurais, explica Miller, há geralmente uma avó, uma tia ou um tio que pode ajudar. Ou as pessoas na comunidade conhecem aquelas crianças. Mas quando vão para as cidades as crianças ficam sós.

Sós e pobres. O relatório diz que muitas crianças não vão à escola porque não têm dinheiro, ou estão doentes, sofrem de deficiências, abusos, ou discriminação. Em geral, também não têm acesso a água potável, ou aos cuidados de saúde. No caso das jovens que iniciam a vida sexual muito cedo, o problema agrava-se.

Miller diz que "quando jovens e adolescentes se mudam para zonas urbanas e precisam de acesso à saúde reprodutiva e esse acesso é negado… Quando as clínicas recusam planeamento familiar a essas jovens… Que opções é que lhe restam?"

A organização Save the Children pede medidas como sistemas integrados de protecção das crianças, campanhas de higiene, formação de assistentes sociais, assistência para deficientes, e campanhas de apoio ao desenvolvimento individual nos primeiros anos de vida das crianças.
O forúm foi encerrado
Comentários
     
Năo existem comentários. Seja o primeiro

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Sexta 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Manchetes Africanas 1 Agosto 2014i
X
01.08.2014 20:33
Os títulos que marcaram o início do mês de Agosto
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 1 Agosto 2014

Os títulos que marcaram o início do mês de Agosto
Vídeo

Vídeo Ivan Collinson - Participante Yali

Ivan Collinson - Participante Yali. Veio de Moçambique e é director adjunto do registo académico da Universidade Eduardo Mondlane. Ivan sente-se mais africano depois de participar na Iniciativa Jovens Líderes Africanos nos EUA
Vídeo

Vídeo Manchetes Americanas 31 Julho 2014

Câmara dos Representantes indicia processo contra Presidente Barack Obama
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 31Julho 2014

Da propagação do vírus do ébola, aos ataques do Boko Haram. Os títulos que marcam a actualidade de África
Vídeo

Vídeo Cadija Mané - Participante Yali

Cadija Mané - Participante Yali. Veio da Guiné-Bissau, onde trabalha como coordenadora da Casa dos Direitos. Regressa para a Guiné com mais determinação e força de vontade para mudar as coisas
Vídeo

Vídeo Vilma Nhambi - Participante Yali

Vilma Nhambi - Participante Yali. Veio de Moçambique e tem um projecto com mulheres e adolescentes nas zonas rurais.
Vídeo

Vídeo Selma Neves - Participante Yali

Selma Neves - Participante Yali, veio de Cabo Verde. É Presidente da Incubadora, uma cooperativa de empoderamento de mulheres e fica por mais dois meses para um estágio em Nova Iorque
Vídeo

Vídeo Manchetes Americanas 29 Julho 2014

Os principais assuntos que fazem a actualidade dos Estados Unidos da América, com Bruna Ladeira
Vídeo

Vídeo Majo Joseph - Participante Yali

Majo Joseph - Participante Yali veio de Moçambique e a sua área de acção é a sociedade civil e seu empoderamento
Vídeo

Vídeo Akiules Neto - Participante Yali

Akiules Neto - Participante Yali. Veio de Angola e a sua vida são os números
Mais Vídeos