segunda-feira, 27 abril, 2015. 09:07 UTC

Notícias / Angola

Autor de queixa contra Manuel Vicente impedido de sair de Angola por "represália"

Serviço de Migração e Estrangeiros confiscou passaportes de Adriano Parreira quando este se preparava para embarcar, num vôo para Madrid, na segunda-feira à noite

Auto de apreensão dos passaportes entregue pelo SME a Adriano Parreira
Auto de apreensão dos passaportes entregue pelo SME a Adriano Parreira

Multimédia

Áudio
Redacção VOA
Adriano Parreira, o angolano na origem de um inquérito judicial, em Portugal, contra o vice-presidente de Angola, foi impedido de viajar para o estrangeiro. E disse à Voz da América (VOA) que se trata de uma "represália".

Quando se preparava para embarcar, no aeroporto 4 de Fevereiro, em Luanda, segunda-feira à noite, foram-lhe confiscados os passaportes angolano e português.

Adriano Parreira disse à VOA ter sido confrontado com um documento da Procuradoria-Geral angolana, que exigia a sua comparência na Direcção de Investigação Criminal.

Disse, ainda, que após lhe ter sido negada uma cópia desse documento a polícia fronteiriça lhe entregou um auto de apreensão dos passaportes. Parreira disse que se tratou de um acontecimento estranho, visto que não cometeu qualquer crime e que as autoridades – se queriam falar com ele – podiam tê-lo procurado na sua residência.

"Paera já, tudo é estranho", disse Parreira numa entrevista à VOA. "Se houvesse algum problema com a minha pessoa, notificavam-me", acrescentou referindo-se à Procuradoria-Geral angolana.

"Não há esclarecimento nenhum, o que é ilegal e contra a lei", relativamente ao facto de ser a polícia no aeroporto, em vez de ser a Procuradoria, a notificá-lo que devia apresentar-se nesta instituição judicial.

O professor universitário disse crer que a Procuradoria pretende falar com ele, devido ao seu papel na abertura de um inquérito pela Procuradora-geral da República portuguesa, "a negócios bastante esquisitos em Portugal", envolvendo o vice-presidente de Angola, Manuel Vicente, e outras figuras importantes do regime angolano.

Adriano Parreira disse ter solicitado "ao Ministério Público português que efectuasse uma averiguação para se concluísse se havia matéria para avançar com o processo. Foi isso que foi feito e foi isso que pedi".

Salientando que o "Ministério Público português já enviou uma carta rogatória" à sua congénere angolana, Parreira disse que agiu "no serntido de obter um esclarecimento ao público sobre um assunto que incomoda os angolanos, pois só se fala de corrupção".

Disse, ainda, que a documentação que apresentou para sustendar o pedido foi produzida, sobretudo, pelo actiovista aanti-corrupção Rafael Marques.

"Evidentemente que sim", respondeu quando inquirido sobre se estava a ser alvo de uma represália. "Isto é uma questão política, sem pés bem cabeça".

Adriano Parreira tenciona apresentar-se na Procuradoria-Geral da República, esta quarta-feira de manhã, para responder às perguntas que lhe quiserem fazer e tentar reaver os seus passaportes que, insiste, lhe foram apreendidos ilegalmente.

Goraram-se as tentativas da VOA para esclarecer o sucedido junto das autoridades angolanas.
O forúm foi encerrado
Comentário
Comentários
     
por: Kadiamboko muntsi Cabinda de: Lunda Norte
09.12.2012 06:04
Devemos pensar no positivo irmãos. Desde qdo um país soberano se meteu nos problemas dum outro?. pior ainda processar um chefe(soberano, apesar da fraude)? Seria essa um metodo que o portugal pensou em retomar a sua economia? Porque fazendo-o, o JES poderá corrompé-lo?. Eu acho que o Portugal não tem capacidade para isso, porque existem vários outrs problemas muito mais graves que nem se quer pensam em falar ou tocar. Querem tapar nos as vistas.


por: JOAO ANTONIO de: LOBITO
05.12.2012 13:47
A PROPOSITO DO CASO ADRIANO PARREIRA NAO E DE ESTRANHAR PORQUE TODOS SABEMOS QUE DESDE OS PRIMEIROS ANOS DA NOSSA INDEPENDENCIA ESTE PAIS FOI TRANSFORMADO EM UM ESTADO DE RECLUSAO PENITENCIARIA PORQUE O UNICO PODER VISIVEL E O PODER DAS ARMAS,DA CORRUPCAO E A IGNORANCIA POLITICA E FALTA DE INTELECTUALIDADE DOS AUTOPROCLAMADOS RESPONSAVEIS DESTE PAIS QUE DEVERIA SER ELE NA CADEIA POR AFIREM SEMPRE A MARGEM DA LEI


por: Rua Manuel da Costa de: Bissau
05.12.2012 09:34
mas quem é este tal Fernando Rosa de impedir um cidadão de sair do seu pais, para onde quer chegar ditador José Eduardo Dos Santos?
com todas estas brutalidades em Angola CPLP, ficou sego surdo e mudo.
Onde esta o senhor Paulo Portas dono da democracia na CPLP? Onde está José Maria Neves? onde está José Carlos Fonseca?
o fim da CPLP já está a vista.
nunca vi e nem ouvi, uma organização a pedir sanções para um pais menbro, que salvajeria é essa!?.

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Qui 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sexta-feira 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Passadeira Vermelha: Star Wars, Oprah Winfrey e filha de Whitney Houston acendem os holofotes!i
X
24.04.2015 16:24
O episódio 12 da #PassadeiraVermelha da VOA traz novidades da Oprah Winfrey, uns miminhos do Star Wars, daqueles bem bons e vamos ver quem rebentou o record de vendas de bilheteira de cinema das últimas semanas!
Vídeo

Vídeo Passadeira Vermelha: Star Wars, Oprah Winfrey e filha de Whitney Houston acendem os holofotes!

O episódio 12 da #PassadeiraVermelha da VOA traz novidades da Oprah Winfrey, uns miminhos do Star Wars, daqueles bem bons e vamos ver quem rebentou o record de vendas de bilheteira de cinema das últimas semanas!
Vídeo

Vídeo O Auxílio à morte nos Estados Unidos

Nos 18 anos da lei "Morte com Dignidade" no Oregon, cerca de 750 pessoas terminaram suas vidas com drogas letais. O medicamento também pode ser prescrito no Estado de Washington, Novo México, Vermont e Montana. Uma paciente terminal abriu o debate a outros estados
Vídeo

Vídeo Xenofobia na África do Sul

Na semana passada, a África do Sul foi tomada por ataques contra estrangeiros que moram no país. Alguns dizem que os ataques são culpa do legado do colonialismo, outros dizem que são problemas económicos da nação. Independentemente da causa, sul-africanos rezam pelo fim da violência.
Mais Vídeos