domingo, 25 janeiro, 2015. 14:15 UTC

Notícias / Angola

"Cultura do medo" em Angola limita activismo político dos cidadãos

“Eu penso que há necessidade de procurar mecanismos de defesa dos activistas sociais, mas é lamentável que nós ainda precisamos de falar de mecanismos de defesa".

Alves Kamulingue e Isaías Cassule, desaparecidos desde finais de Maio de 2012 (montagem de fotos cedidas pelas famílias)
Alves Kamulingue e Isaías Cassule, desaparecidos desde finais de Maio de 2012 (montagem de fotos cedidas pelas famílias)

Multimédia

Áudio
Coque Mukuta

A existência da cultura do medo em Angola leva à não participação dos cidadãos na vida pública, denuncia Carlos Cambuta porta-voz do da II Conferência Nacional sobre a Participação dos Cidadãos na Vida Pública.

Segundo Cambuta a cultura do medo por parte de muitos cidadãos é alimentada pelas perseguições e raptos, e está na base da não participação de muitos indivíduos na vida publica das suas comunidades.

"A existência da cultura do medo por parte de muitos cidadãos devido a insegurança, porque hoje entende-se que quem tem uma opinião diferente não faz parte do regime” disse. “Então, isso faz com que muita gente não procure participar na vida pública”.
 

Tendo como exemplo os dois jovens raptados, Isaias Cassule e Alves Kamulingue, aquando da tentativa da organização de uma manifestação no dia 27 de Maio deste ano, Cambuta disse haver necessidade de mecanismos de defesa dos próprios activistas.

“Eu penso que há toda uma necessidade de procurar encontrar mecanismos de defesa dos próprios activistas sociais, mas é lamentável que nós ainda procuramos falar de mecanismos de defesa, porque o que os activistas fazem é procurar contribuir com a sua opinião e pensamento, como especialistas de diversas matérias,” lamentou
 

Organizam o certame a ADRA, Mãos Livres, Fundo de Mulheres Jornalistas para Igualdade de Género, AJPD e a Plataforma Mulheres em Acção.

O forúm foi encerrado
Comentário
Comentários
     
por: joao antonio de: lobito
23.11.2012 10:59
o partido estado esta povoado por neo nazis que ajem como autenticos monarcas do tempo de conde de torquemada nos seculos 12,13 e 14


por: Anónimo
18.11.2012 12:49
a politica do medo e copia do sistema colonial salazarista ,o MPLA e produto de escapads do salazarismo e comunistas portugueses q invocam o CODE NOIR , CODICO NEGRO para submeter o angolano neste estado de humiliacao . A verdade e uma cada dia q passa o povo esta imunizar-se com o medo e qndo a lei da transformaco determinar como aconteceu no 25 de abril de 74 , ai o MPLA ha de acreditar q os altos castelos tambem caiem . os eventos da ROMENIA serao revividos em angola algures no futuro.

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Qui 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sexta-feira 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Prisioneiros do Quenia Batalha pela reintegraçãoi
|| 0:00:00
...  
🔇
X
23.01.2015 20:54
Depois de ter estado na prisao é difícil encontrar trabalho e ser aceite na cidade. Um grupo de ex-presos em Nairobi querem provar que ha vida depois do crime. (Janeiro 2015)
Vídeo

Vídeo Prisioneiros do Quenia Batalha pela reintegração

Depois de ter estado na prisao é difícil encontrar trabalho e ser aceite na cidade. Um grupo de ex-presos em Nairobi querem provar que ha vida depois do crime. (Janeiro 2015)
Vídeo

Vídeo Vacinas para o Ebola

A pior crise do Ebola na historia do mundo entrou no segundo ano. Os cientistas estao a desenvolver uma vacina contra este virus mortal. (Janeiro 2015)
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 23 Janeiro 2015

As imagens das noticias de Africa
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 22 Janeiro 2015

As imagens das noticias africanas
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 21 Janeiro 2015

Imagens noticiosas afrcianas
Vídeo

Vídeo American Sniper: A história de um atirador americano que matou mais de 160 pessoas

Nomeado para o Oscar de Melhor Drama, o filme de Clint Eastwood baseia-se na história real de Chris Kyle, um oficial da Marinha americana que serviu no Iraque por quatro vezes como atirador profissional. O filme explora o efeito da guerra na psique humana
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 20 Janeiro 2015

As imagens noticiosas de Africa
Mais Vídeos