quarta-feira, 29 julho, 2015. 04:48 UTC

Notícias / Angola

"Cultura do medo" em Angola limita activismo político dos cidadãos

“Eu penso que há necessidade de procurar mecanismos de defesa dos activistas sociais, mas é lamentável que nós ainda precisamos de falar de mecanismos de defesa".

Alves Kamulingue e Isaías Cassule, desaparecidos desde finais de Maio de 2012 (montagem de fotos cedidas pelas famílias)
Alves Kamulingue e Isaías Cassule, desaparecidos desde finais de Maio de 2012 (montagem de fotos cedidas pelas famílias)

Multimédia

Áudio
Coque Mukuta

A existência da cultura do medo em Angola leva à não participação dos cidadãos na vida pública, denuncia Carlos Cambuta porta-voz do da II Conferência Nacional sobre a Participação dos Cidadãos na Vida Pública.

Segundo Cambuta a cultura do medo por parte de muitos cidadãos é alimentada pelas perseguições e raptos, e está na base da não participação de muitos indivíduos na vida publica das suas comunidades.

"A existência da cultura do medo por parte de muitos cidadãos devido a insegurança, porque hoje entende-se que quem tem uma opinião diferente não faz parte do regime” disse. “Então, isso faz com que muita gente não procure participar na vida pública”.
 

Tendo como exemplo os dois jovens raptados, Isaias Cassule e Alves Kamulingue, aquando da tentativa da organização de uma manifestação no dia 27 de Maio deste ano, Cambuta disse haver necessidade de mecanismos de defesa dos próprios activistas.

“Eu penso que há toda uma necessidade de procurar encontrar mecanismos de defesa dos próprios activistas sociais, mas é lamentável que nós ainda procuramos falar de mecanismos de defesa, porque o que os activistas fazem é procurar contribuir com a sua opinião e pensamento, como especialistas de diversas matérias,” lamentou
 

Organizam o certame a ADRA, Mãos Livres, Fundo de Mulheres Jornalistas para Igualdade de Género, AJPD e a Plataforma Mulheres em Acção.

O forúm foi encerrado
Comentário
Comentários
     
por: joao antonio de: lobito
23.11.2012 10:59
o partido estado esta povoado por neo nazis que ajem como autenticos monarcas do tempo de conde de torquemada nos seculos 12,13 e 14


por: Anónimo
18.11.2012 12:49
a politica do medo e copia do sistema colonial salazarista ,o MPLA e produto de escapads do salazarismo e comunistas portugueses q invocam o CODE NOIR , CODICO NEGRO para submeter o angolano neste estado de humiliacao . A verdade e uma cada dia q passa o povo esta imunizar-se com o medo e qndo a lei da transformaco determinar como aconteceu no 25 de abril de 74 , ai o MPLA ha de acreditar q os altos castelos tambem caiem . os eventos da ROMENIA serao revividos em angola algures no futuro.

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Qui 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sexta-feira 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Sudão: música salva pessoas da mortei
X
28.07.2015 06:19
Em 2012 o realizador sudanês Hajooj Kuka realizou um documentário entre os refugiados da Guerra civil no Nilo Azul, Sudão, e na região montanhosa de Nuba. E surpreendeu-se com o que ali viu – a música estava a ajudar a salvar pessoas que estavam a ser alvo de ataques aéreos do seu próprio governo
Vídeo

Vídeo Sudão: música salva pessoas da morte

Em 2012 o realizador sudanês Hajooj Kuka realizou um documentário entre os refugiados da Guerra civil no Nilo Azul, Sudão, e na região montanhosa de Nuba. E surpreendeu-se com o que ali viu – a música estava a ajudar a salvar pessoas que estavam a ser alvo de ataques aéreos do seu próprio governo
Vídeo

Vídeo Marvel Comics lança um novo Homem-Aranha: Miles Morales

Seja em quadradinhos ou na tela do cinema, fãs estão acostumados a ver Peter Parker por trás do Homem-Aranha. Mas isto está a mudar. A Marvel Comics lançou Miles Morales para substituir Peter Parker em uma nova série de quadradinhos. Ele é metade latino e metado afro-americano e já é bem popular.
Vídeo

Vídeo Procuradoras mulheres da Somália para fazer a diferença

Numa nação marcada por um longo conflito, corrupção e impunidade, o governo da Somália espera reconstruir o sistema de justiça do país e pela primeira vez trouxe seis procuradoras mulheres ao processo
Vídeo

Vídeo Jornalista cego da Somália

Apesar da melhoria de segurança, nos últimos anos, Somália continua um dos países mais perigosos para ser jornalista, pior para que não tem a capacidade de ver. Abdifatah Hassan Kalgacal têm reportado na última década a partir da capital daquele país. É cego
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 23 Julho 2015

As imagens noticiosas de Africa
Mais Vídeos