quarta-feira, 30 julho, 2014. 21:14 UTC

Notícias

Teatro em Angola: Um futuro promissor

Na cena do teatro angolano muitos grupos já atingiram níveis que permitem a sua participação em eventos importantes a nível internacional.

Teatro em Angola: Um futuro promissor
Teatro em Angola: Um futuro promissor

Multimédia

Áudio
Esperança Gaspar

Teatro em Angola: Um futuro promissor

Na cena do teatro angolano muitos grupos já atingiram níveis que permitem a sua participação em eventos importantes a nível internacional. Contudo segundo os actores nacionais muito precisa ainda de ser feito.

Nomes como Roldão Ferreira, José Mena Abrantes, António de Oliveira " Délon", Ana Paula Victor, Artimísia Lemos, Sebastião Figueira, Nowa Wete, Carlos Dias, Salvador Freire, David Mendes, Armando Rosa, Adelino Caracol, Púlqueira Van-Dúnem, Africano Cangombe, Avelino Dikota, Correia Domingos, Correira Azevedo Zulmira e Agnela Barros fazem parte da história do teatro em Angola.

Uma nova geração integra-se em grupos tais como Horizonte Nzinga Bande, Pitabel e Miragens ETU-LEN, JULU, OASIS só para citar alguns.

Cada um contribuiu à sua maneira para que o teatro angolano chegasse ao seu momento actual.

Simão Paulino, está no teatro há 14 anos. E diz que os seus primeiros passos foram difíceis, mas, acrescentou, que com eles aprendeu muito e conseguiu afirmar-se no mercado como actor reconhecido.

Para o jovem actor, a arte de representar é bastante exigente, daí a necessidade da criação de escolas teatrais que possam garantir qualidade nos trabalhos ligados ao ramo.

Simão Paulino, é de opinião de que o teatro, mais do que fazer rir as pessoas tem como principal objectivo levar à reflexão do público acerca dos vários problemas sociais, políticos e económicos que o país enfrenta.

Com o aparecimento de vários grupos, Simão Paulino, refere que muito deve ser feito para aumentar a qualidade das obras. Para o efeito, acrescenta, deve ser feita uma maior aposta nas infra-estruturas, sobretudo em salas de exibição.

Carlos de Carvalho é o presidente da associação angolana de teatro, e afirma que para além da falta de infra-estruturas, a aposta do governo deve incidir na formação e acompanhamento pormenorizado aos grupos teatrais.  
Quanto à aderência do público às salas de espectáculo, Simão Paulino, mostra-se satisfeito porque ao contrário do que sucedia há alguns atrás, as pessoas já têm mais interesse em acompanhar as obras em exibição.

Actualmente, os grupos teatrais contam com apenas quatro salas, nomeadamente, o cine teatro nacional do espaço Chá de caxinde, LAASP, Elinga Teatro, salas que segundo Carlos de Carvalho ainda não oferecem as condições adequadas para a exibição de peças de teatro.

Carlos de Carvalho, disse por outro lado que o número de grupos teatrais, cresceu, entanto ainda não corresponde à qualidade desejada.

Orlando Capata, faz teatro há 12 anos e actualmente dirige um grupo infanto-juvenil. Segundo o actor, hoje os grupos teatrais estão por conta própria. Daí a necessidade de o governo criar políticas que possam garantir maior apoio.

A maioria dos actores não tem formação. E uma das apostas é contratar especialistas, a exemplo de João Mota, que esteve a formar durante três meses vários actores Angolanos.

Orlando Capata, ressalta ainda que trabalhar com crianças, requer muita criatividade e através das peças teatrais, cultiva-se nas crianças o gosto pela leitura, o respeito pelos mais velhos e o resgatar dos valores morais e cívicos até mesmo de pessoas de outras idades.

Qualidade, formação e apoio é o que falta no mercado do teatro em Angolano. Mas esforço de quem prática, tem tornado possível o reconhecimento do país nos mais variados palcos do mundo.

O forúm foi encerrado
Comentários
     
Năo existem comentários. Seja o primeiro

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Sexta 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Vilma Nhambi - Participante Yalii
X
30.07.2014 12:56
Vilma Nhambi - Participante Yali. Veio de Moçambique e tem um projecto com mulheres e adolescentes nas zonas rurais.
Vídeo

Vídeo Vilma Nhambi - Participante Yali

Vilma Nhambi - Participante Yali. Veio de Moçambique e tem um projecto com mulheres e adolescentes nas zonas rurais.
Vídeo

Vídeo Selma Neves - Participante Yali

Selma Neves - Participante Yali, veio de Cabo Verde. É Presidente da Incubadora, uma cooperativa de empoderamento de mulheres e fica por mais dois meses para um estágio em Nova Iorque
Vídeo

Vídeo Manchetes Americanas 29 Julho 2014

Os principais assuntos que fazem a actualidade dos Estados Unidos da América, com Bruna Ladeira
Vídeo

Vídeo Majo Joseph - Participante Yali

Majo Joseph - Participante Yali veio de Moçambique e a sua área de acção é a sociedade civil e seu empoderamento
Vídeo

Vídeo Akiules Neto - Participante Yali

Akiules Neto - Participante Yali. Veio de Angola e a sua vida são os números
Vídeo

Vídeo Mamografias 3D revolucionam detecção do cancro da mama

Durante anos as mamografias desempenharam um papel vital na detecção do cancro da mama. Mas nem sempre conseguem identificar tumores perigosos. A tecnologia a três dimensões pode revolucionar a triagem e salvar vidas
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 25 Julho 2014

Os títulos que encerraram a semana no continente africano. Dos ataques do Boko Haram à expansão do vírus do ébola
Vídeo

Vídeo Manchetes Americanas 24 Julho 2014

Os principais acontecimentos que marcam a actualidade americana na penúltima semana do mês de Julho
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 24 Julho 2014

Os principais títulos que marcam a actualidade de África nesta Quinta-feira
Mais Vídeos