sexta-feira, 18 abril, 2014. 08:21 UTC

Notícias / Angola

Dez mil refugiados angolanos integrados na Zâmbia

UNITA saudou a medida do governo zambiano e exorta o Congo a integrar, também, os refugiados angolanos

Multimédia

Áudio
Tamanho das letras - +
Venâncio Rodrigues
— A UNITA saudou a decisão do governo zambiano de permitir  a integração, no seu território, de mais de 10 mil antigos refugiados angolanos.

O  presidente da bancada parlamentar do principal partido da oposição angolana, Raul Danda, disse à Voz  da América que outros países vizinhos de Angola deviam seguir o exemplo da Zâmbia.  

“É óbvio que se as pessoas não voltam é porque estão convencidas que os motivos que os levaram para estes países ainda persistem”, disse.

Natural de Cabinda, o deputado da UNITA disse que muitos cidadãos do enclave, actualmente refugiados na República Democrática do Congo e do Congo Brazzaville, continuam a negar o seu repatriamento para  Angola por temerem represálias.

“Eles procuram nestes países uma forma de se esconderem e de fugirem da violência e da perseguição razão pela qual deviam continuar lá até que os problemas sejam resolvidos”, declarou.

Perto de 10 mil antigos refugiados angolanos devem ser integrados na Zâmbia, numa decisão descrita pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) como sendo  histórica e portadora da esperança e de soluções duradouras para as pessoas deslocadas ou perseguidas em África.

Os antigos refugiados angolanos escolheram permanecer no país vizinho de Angola
no termo dum processo de repatriamento voluntário. A operação de integração foi lançada na passada semana pelo Governo daquele país. 

As autoridades zambianas decidiram, em 2011, autorizar a concessão do estatuto alternativo a 10 mil refugiados angolanos devido à sua longa permanência naquele país bem como aos seus fortes laços sócio-culturais com a Zâmbia.

O processo de integração local teve o apoio da União Africana (UA) que contribuiu com 100 mil dólares americanos, entregues ao ACNUR.

A Zâmbia acolhe atualmente 48 mil cidadãos em situação difícil, dos quais 23 mil   são Angolanos.
O forúm foi encerrado
Comentário
Comentários
     
por: alexsandra serpa de: brasil
05.01.2013 22:13
quero saber onder nos vomos para com este governo da angola o povo esta precisando de um pais melhor sem fomer sem acho isso muito ruim as pessoas tenquer abamdona suas casa sai para pais vizinho com medo do governo isso e muito rui se tem alguem quer tenquer sai e o governo naõ as pessoas


por: joao antonio de: lobito
27.12.2012 08:34
estes angolanos foram abencoados pois escaparam se das garras do lucifer esta coisa de terr amor patrio faz o corpo sofrer duas vezes o mesmo sofrimento que actualmente vivemos pois os angolanos sao trabalhadores honestos e poderao contribuir para o desenvolvimento humano,economico e social da zambia.
bem haja os dirigentes zambianos por tal actitude tao nobre digna de deuses e muito obrigado

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Sexta 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Manchetes Africanas 17 de Abrili
|| 0:00:00
...
 
🔇
X
17.04.2014
Vídeo

Vídeo "Temos muitos problemas na Guiné-Bissau", Abel Incada, candidato presidencial

Os guineenses foram às urnas a 13 de Abril e estão expectantes num novo Governo de paz e estável
Vídeo

Vídeo África do Sul vai a votos a 7 de Maio

Na África do Sul, o ANC está em campanha difícil para segurar o seu domínio no Limpopo, onde ganhou 85 por cento dos votos em 2009.
Vídeo

Vídeo Pistorius está no banco dos réus e a acusação tem sido dura

Os acusadores tentaram descrever o atleta sul-africano Oscar Pistorius como egoísta e abusivo durante o segundo dia de interrogatório no seu julgamento por homicídio.
Vídeo

Vídeo A luta dos medicamentos baratos

O Governo da África do Sul vai aprovar reformas sobre propriedade intelectual – incluindo patentes de medicamentos – que para activistas de saúde poderão permitir que mais sul-africanos possam ter acesso a medicamentos genéricos,
Mais Vídeos