sábado, 20 setembro, 2014. 18:00 UTC

Notícias / Angola

Angola: Parlamento debate Orçamento na especialidade

O Orçamento Geral do Estado para 2013 está a ser discutido e debatido na especialidade, depois do documento ter sido já aprovado na generalidade, na Assembleia Nacional.

Assembleia Nacional de Angola
Assembleia Nacional de Angola
Manuel José
O Orçamento Geral do Estado para 2013 está a ser discutido e debatido na especialidade, depois do documento ter sido já aprovado na generalidade, na Assembleia Nacional.

As discussões e recolha de contributos vão até ao dia 14 de Fevereiro, com subsídios de organizações da sociedade civil e deputados, com presença dos titulares dos cargos no executivo angolano.

Levantou-se a questão da extemporaneidade das discussões mas o deputado pela bancada do MPLA, João Pinto discordou e argumentou:

“Não é extemporâneo, se lembrar que em 2010 houve uma discussão sobre o Orçamento que foi alterado em quase três por cento.”

Para o parlamentar do MPLA, este Orçamento de 2013 é inédito em apresentar um valor global jamais visto e que vai resolver os problemas:

“É o primeiro Orçamento da nossa história com uma dotação tão substantiva e que vai dar para resolver muitos problemas.”

Uma posição rebatida pelo líder da bancada parlamentar da UNITA, Raul Danda, que diz que o problema não está no valor cabimentado mas sim na maneira como se vai gastar:

“O dinheiro vai aonde? Porque o problema não é só a afectação dos recursos, é sobretudo a forma como se gasta esse dinheiro.”

Danda falou também da diferença na venda do petróleo que fica sob tutela do Presidente da República e este furta-se a explicar no parlamento:

“Cerca de seis milhões de dólares dia vão ser geridos pelo Presidente da República, o senhor presidente protege-se nas leis que cria para não vir a Assembleia Nacional prestar contas, ele é o principal gestor da coisa pública.”

O deputado diz não perceber como é que em tempo de paz o bolo atribuído ao sector da Defesa e Segurança continua mais alto que o da Saúde e Educação:

“Atribuímos hoje uma verba a Saúde e Educação completamente inferiores a grande verba atribuída a Defesa e Seguranca, mesmo com onze anos de paz.”

Já Abel Chivukuvuku, deputado pela bancada parlamentar da CASA-CE, não coloca muita fé neste tipo de exercício de discussão que considera de faz de conta:

“Este é apenas um exercício para inglês ver.”

Chivukuvuku acredita que seja mais uma operação de charme do executivo de José Eduardo dos Santos:

“Estes subsídios todos são apenas para o executivo dar a impressão ou percepção que dialoga mas não vai absorver nada.”

O deputado crê que falta-nos ainda cultura de debater os problemas mais candentes do país:

“Temos um grande défice de debate e diálogo nacional a todos os níveis.”

Deputado pela bancada parlamentar da CASA-CE, Abel Chivukuvuku.
.
O forúm foi encerrado
Comentários
     
Năo existem comentários. Seja o primeiro

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Sexta 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Manchetes Africanas 19 Setembro 2014i
|| 0:00:00
...
 
🔇
X
19.09.2014 17:49
As imagens das noticias de Africa
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 19 Setembro 2014

As imagens das noticias de Africa
Vídeo

Vídeo Aniversário Westgate - Ataque terrorista ainda abala as vítimas

Um ano depois do ataque terrorista ao Centro Comercial Westgate em Nairobi, os sobreviventes continuam abalados com a tragédia. A VOA conta a história das vítimas que ainda questionam: “Como é que isto aconteceu?
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 18 Setembro 2014

Noticias de Africa em imagens
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 17 Setembro 2014

As imagens de Africa que fazem noticia
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 16 Setembro 2014

As noticias de Africa em imagens
Vídeo

Vídeo Prostituição infantil em Nairobi

Na favela de Korogocho, em Nairobi, raparigas com apenas 15 anos de idades dedicam-se à prostituição como meio de ganhar a vida. Elas são o alvo de uma organização não-governamental chamada Iniciativa Miss Koch, que tem realizado o trabalho de resgatar essas menores e com resultados positivos.
Mais Vídeos