sábado, 25 abril, 2015. 04:15 UTC

Notícias / Angola

Chivukuvuku aguarda decisão do Tribunal Constitucional sobre o Fundo Petrolífero

Abel Chivukuvuku considera não haver contra-alegações possíveis nem sustentáveis por parte do Tribunal

Abel Chivukuvuku, líder da CASA
Abel Chivukuvuku, líder da CASA
Manuel José
O caso Fundo Petrolífero angolano com novos contornos. Depois da solicitação de nulidade do referido Fundo, por parte da CASA-CE, eis que o presidente da República, José Eduardo dos Santos, delega poderes ao chefe da Casa Civil, Edeltrudes Costa, para o representar e se pronunciar no processo de inconstitucionalidade, junto do Tribunal Constitucional.

A indigitação do ministro de Estado vem no despacho presidencial número 8/13, na sequência de um requerimento da CASA-CE remetido a 4 de Dezembro do ano passado ao Tribunal Constitucional.

A Voz da América ouviu o requerente Abel Chivukuvuku, o presidente da Coligação Eleitoral que considera não haver contra-alegações possíveis nem sustentáveis:

“Do nosso ponto de vista estas contra-alegações não têm sustentabilidades.”

Chivukuvuku aguarda por uma decisão imparcial do Tribunal Constitucional sobre esta matéria:

“Neste momento estamos à espera que o Tribunal decida em acórdão, qual a posição que vai tomar.”

O lider da CASA-CE assegurou que pretende apenas ajudar a implementação da transparência na gestão dos bens públicos:

“Nós estamos na perspectiva positiva de ajudar, para que os processos sejam encaminhados sempre de acordo com a lei.”

E que sejam sempre, para o bem do cidadão angolano:

“Ajudar para que os recursos do país sejam mesmo em beneficio do cidadão.”
Abel Chivukuvuku questiona igualmente, para onde vai o dinheiro que resta dos exercícios económicos dos anos anteriores:

“Os excedentes de cada ano vão parar aonde? Em nenhum momento houve a indicação do excedente do ano fiscal anterior ser introduzido no orçamento do ano seguinte.”

Para o “número 1” da CASA-CE, a sua coligação veio para acabar com vários défices de gestão da coisa pública em Angola:

“Temos uma série de défices em termos de processos políticos e gestão económica que é nossa obrigação e papel da CASA-CE ajudar para que melhoremos o nosso país e a vivência do nosso cidadão.”

De recordar que o Fundo Petrolífero foi criado o ano passado por decreto presidencial, com um activo de 5 mil milhões de dólares, sem ter passado pelo parlamento angolano e tem como um dos administradores o filho do presidente angolano, José Filomeno "Zenu dos Santos.
O forúm foi encerrado
Comentários
     
Năo existem comentários. Seja o primeiro

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Qui 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sexta-feira 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Passadeira Vermelha: Star Wars, Oprah Winfrey e filha de Whitney Houston acendem os holofotes!i
X
24.04.2015 16:24
O episódio 12 da #PassadeiraVermelha da VOA traz novidades da Oprah Winfrey, uns miminhos do Star Wars, daqueles bem bons e vamos ver quem rebentou o record de vendas de bilheteira de cinema das últimas semanas!
Vídeo

Vídeo Passadeira Vermelha: Star Wars, Oprah Winfrey e filha de Whitney Houston acendem os holofotes!

O episódio 12 da #PassadeiraVermelha da VOA traz novidades da Oprah Winfrey, uns miminhos do Star Wars, daqueles bem bons e vamos ver quem rebentou o record de vendas de bilheteira de cinema das últimas semanas!
Vídeo

Vídeo O Auxílio à morte nos Estados Unidos

Nos 18 anos da lei "Morte com Dignidade" no Oregon, cerca de 750 pessoas terminaram suas vidas com drogas letais. O medicamento também pode ser prescrito no Estado de Washington, Novo México, Vermont e Montana. Uma paciente terminal abriu o debate a outros estados
Vídeo

Vídeo Xenofobia na África do Sul

Na semana passada, a África do Sul foi tomada por ataques contra estrangeiros que moram no país. Alguns dizem que os ataques são culpa do legado do colonialismo, outros dizem que são problemas económicos da nação. Independentemente da causa, sul-africanos rezam pelo fim da violência.
Mais Vídeos