segunda-feira, 08 fevereiro, 2016. 23:05 UTC

    Notícias / Angola

    Lobito: Camponeses expulsos insistem na devolução de terras

    Um parecer do gabinete jurídico do governo de Benguela - ignorado pelo administrador municipal - reconheceu o direito de preferência na ocupação de terreno aos camponeses.

    Vista aérea do Lobito
    Vista aérea do Lobito
    António Capalandanda
    Os camponeses do Lobito despojados das suas terras pela administração municipal e posteriormente ameaçados de morte apresentaram uma nova queixa ao gabinete do governador provincial de Benguela.

    Um grupo de camponeses do Lobito interpuseram um novo recurso ao governo  provincial de Benguela após a administração do município ter ignorado um parecer do gabinete jurídico do governo da província que lhes dava direito a terras de onde foram expulsos.

    Uma fonte do governo provincial de Benguela dissera antes à Voz da América que a administração nunca esclareceu o governo da província sobre as razoes do não reconhecimento do direito de preferência de ocupação de terreno aqueles camponeses.

    A fonte esclarece que, com o novo recurso interposto pelos reivindicadores, o administrador deverá ser interpelado pelo próprio governador.



    Como a Voz da América noticiou, 23 camponeses são ocupantes de uma parcela de terreno com cerca de cinco hectares, localizado no Bairro do Golfe, Morro da Quileva, no município do Lobito no qual exerciam actividade agrícola desde 1988.

    Após terem cumprido os procedimentos para o início da legalização das terras, foram surpreendidos com máquinas no local, orientadas por Joaquim de Almeida, um influente cidadão da província de Benguela, declarando-se titular do terreno, alegando lhe ter sido concedido pela administração municipal.

    A 29 de Novembro de 2010, um parecer do gabinete jurídico do governo de Benguela reconheceu o direito de preferência na ocupação de terreno aos camponeses.

    O administrador, Amaro Segunda Ricardo, nunca se pronunciou sobre o parecer remetido à administração municipal em Janeiro de 2011, pelos reclamantes.

    Em Outubro de 2012, os ocupantes receberam do chefe do gabinete da repartição municipal de fiscalização do Lobito, António Adão, uma advertência para que aquele grupo abandonasse o terreno, alegando que o espaço ser legalmente autorizado a Joaquim de Almeida.

    Foi nesta mesma altura que, os ocupantes começaram também a ser alvos de intimidações e perseguições por parte dos fiscais da administração local.
    O forúm foi encerrado
    Comentário
    Comentários
         
    por: jose antonio de: lobito
    15.11.2012 18:39
    este e um estado de reclusao peninteciario ou por outra pqalavras e governado por tupamauros da decada dos anos 40 q1ue dao o dito por nao dito e que a lei e escritan a lapis que depois de elaborada e apagada pois os funcionarios da administracao do estado se aproveita do orcamento geral dom estado e das sua funcoes para a pratica dos crimes de burla e de falsificacao de arquivos e de dupla personalidade o que e muito comum na africa e o caso dos terrenos o povo esta entregue abicharadda com que hoje convivemos

    Siga-nos

    Rádio

    AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

    Sexta 16:30 - 17:30 UTC
     

    AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

    Seg-Qui 17:00 - 18:30 UTC
     

    AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

    Sexta-feira 17:30 UTC
     

    AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

    Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

    Os Nossos Vídeos

    Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
    Manchetes Mundo 8 Fevereiro 2016i
    X
    08.02.2016 20:00
    Mais Vídeos