sábado, 01 novembro, 2014. 01:01 UTC

Notícias / Angola

Analistas angolanas divididas quanto ao envio de tropas para a RDC

Tropas angolanas
Tropas angolanas
Manuel José
Angola deve ou não enviar militares para o conflito armado na República Democrática do Congo? A questão vai levantando acesos debates e divide as opiniões de analistas angolanas.


A jornalista Suzana Mendes é peremptória em afirmar que não quer  ver o envolvimento de tropas angolanas no Congo Democrático:

“Sou totalmente contra isso.”

Suzana Mendes defende que um eventual envio de militares angolanos para o Congo teria de ser decidido pelos deputados angolanos:

“Eu sou totalmente contra Angola ir ou enviar tropas sem qualquer aval por exemplo do parlamento.”

De opinião contrária, a jurista Ana Paula Godinho é apologista de uma intervenção militar de Angola:

“Por vezes é necessário de facto uma intervenção militar, sim.”

A advogada fundamenta a sua tese:

“Em África e aqui na nossa região por vezes só a diplomacia não chega”.

Há uma fronteira extensa entre Angola e a RDC, daí a jurista pensar que é preciso prevenir os acontecimentos maus:

Nós fazemos fronteira com a RDC e é óbvio que qualquer conflito que se alastre acaba entrando pela nossa fronteira a dentro.”

Posição contrária à desta jurista tem a analista política, Alexandra Simeão:

“Talvez fosse importante que nós aparecêssemos não como país que envia tropas mas de facto estabelecer com idoneidade com capacidade no âmbito da diplomacia.”

A analista política pensa que a juventude angolana, o grosso das tropas, devia ser poupada de assuntos alheios:

“Tem que ser ponderada, a que preço é que esta juventude vai ser enviada para o Congo, que se calhar não tem qualquer estrutura para ser modificada.”

Alexandra Simeão aproveitou para caracterizar o que de facto se passa na maior parte dos países africanos em conflito:

“Porque aqui o que acontece na maior parte destes países é que temos uma pequena elite que governa, que está rica e depois a maioria da população vive abaixo de cão”.

Analistas angolanas divididas quanto à necessidade do envio de militares angolanos para o conflito armado entre tropas do governo do Congo Kinshasa e os rebeldes do movimento M-23.
O forúm foi encerrado
Comentário
Comentários
     
por: joao antonio de: lobito
05.12.2012 14:23
a senora ana paula godinho ja esteve nas faplas e na frente de conbate , nessas condicoes os homenes vivem piores que os caes ,sem comida,sem casernas,sem mantas,sem dinheiro e no fim do mundo ela que nao e3steje afalar a toa porque o peixe morre pela boca e angola nao e o exercito mais poderoso de africa e que muitas das vezes meia duzias de homens podem mudar uma batalha,uma guerra ou o destino do mundo,mais se ela quer experimentar esta vida nos que ja a vivemos podemos acompanha'la e boa sorte


por: JOAO ANTONIO de: LOBITO
05.12.2012 13:52
O TEMPO DA EXPANSAO TERRITORIAL JA PASSOU,ISTO ERA NO TEMPO DE DIOGO CAO POIS ESTAMOS NOS FINS DOS TEMPOS E NADA DEM HEROIS DO FARWEST OU SUBSTITUTOS DO ROBIN DOS BOSQUES,CUTEM A POLIO PARA FORA DA AFRICA


por: Mwangolé de: Ngola kiá Samba
03.12.2012 15:23
Titulos e futilidades angolanas...pork não tratam a opinião dessas Sras como opinião de cidadãos angolanos comuns???? Porque se "Analistas" só têm isto para dizer, então o primeiro comentarista é o "Analista Sénior" das relações Angola/RDC.


por: valentim de: Benguela
01.12.2012 12:17
Os partidos políticos da oposição assim como a sociedade em geral, devem estar atentos com uma situação séria como esta. Porque estes gostam fazer coisas contra a vontade do povo.


por: Ndumiso de: Zimbabwe
01.12.2012 05:16
Angola querre enviar tropas in RDC por uma so razao, JES tem medo , treime que os seu enemigo( FLEC) estava no congo. Se Kabila perder,entao o que tomara poder talvez nao sera com boa relacao com JES ,ai a FLEC poder atoar mais do que antes.
Por favor , JES nao enviar filhos do pobre ir morrer no conflito do outre pais.

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Sexta 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Levando a vida no cemitério: Reportagem sobre pobreza persistente em Moçambiquei
X
31.10.2014 18:08
Com as suas ricas reservas de gás natural por explorar, Moçambique poderá tornar-se num dos maiores abastecedores de energia – facto central nas recentes eleições nacionais. Mas nem todos usufruem das riquezas acumuladas. Há uma pobreza persistente, veja como alguns residentes de Maputo sobrevivem
Vídeo

Vídeo Levando a vida no cemitério: Reportagem sobre pobreza persistente em Moçambique

Com as suas ricas reservas de gás natural por explorar, Moçambique poderá tornar-se num dos maiores abastecedores de energia – facto central nas recentes eleições nacionais. Mas nem todos usufruem das riquezas acumuladas. Há uma pobreza persistente, veja como alguns residentes de Maputo sobrevivem
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 31 Outubro 2014

As noticias de Africa em video
Vídeo

Vídeo Manchetes Americanas 30 Outubro 2014

As principais notícias que marcam a última semana do mês de Outubro, nos Estados Unidos
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 30 Outubro 2014

As noticias de Africa em video
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 29 Outubro 2014

As noticias de Africa em video
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 28 Outubro 2014

As noticias de Africa em video
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 24 Outubro 2014

As noticias de Africa em imagens
Vídeo

Vídeo Levados pelo Boko Haram

O mundo espera para ver se a Nigéria consegue negociar a libertação das 219 raparigas da escola de Chibok, raptadas pelo grupo islâmico Boko Haram em Abril. Activistas dizem que o Boko Haram já raptou centenas de jovens rapazes, mulheres e crianças, desde 2009.
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 23 Outubro 2014

As noticias de Africa em imagens
Vídeo

Vídeo Mãe Trabalhadora - trailler do filme

O filme explora a dupla responsabilidade das mulheres moçambicanas, como mães e trabalhadoras. Gentilmente cedido pelo Organização Internacional do Trabalho
Mais Vídeos