domingo, 26 abril, 2015. 06:19 UTC

Notícias / Angola

Angola: A oposição minimiza o reforço do OGE e questiona os mecanismos de fiscalização dos actos do governo

O Ministro das Finanças Carlos Alberto Lopes afirma que na proposta de Orçamento para 2013 cinquenta por cento das receitas a arrecadar serão provenientes do sector petrolifero

Assembleia Nacional de Angola
Assembleia Nacional de Angola
Arão Ndipa
A proposta de lei do orçamento geral do Estado para o ano de 2013 foi aprovada esta semana pelo Executivo angolano, durante a reunião do Conselho de Ministros.

Depois deste passo o documento vai ser apreciado na Assembleia Nacional através das comissões da especialidade. O projecto de discussão foi transferido para a primeira quinzena de Janeiro do próximo ano.


Nesta proposta de orçamento estimada em mais de tres triliões de Kwanzas o Executivo angolano reforça o investimento no sector social com uma verba estimada em mais de trinta e tres por cento, e segundo as autoridades esta verba representa um aumento na ordem dos quarenta e nove por cento em relação ao orçamento ainda em execução.

Entretanto, a oposição com assento parlamentar minimiza o reforço anunciado e questiona os mecanismos de fiscalização dos actos do governo durante a implementação das politicas economicas à semelhança dos anos anteriores.

Em declarações à imprensa o Ministro das Finanças Carlos Alberto Lopes afirma que na proposta de Orçamento para 2013 cinquenta por cento das receitas a arrecadar serão provenientes do sector petrolifero.

O líder do grupo parlamentar da UNITA afirma que as propostas de orçamento geral de estado que o executivo angolano apresenta anualmente, têm se revelado inconsequentes e pouco eficazes, cujo impacto não se reflecte na vida das populações.

Para nos falar sobre o assunto, ouvimos Raul Danda, o ministro das finanças, Carlos Alberto Lopes e José Gonçalves, analista de assuntos económicos.
O forúm foi encerrado
Comentário
Comentários
     
por: joao antonio de: lobito
21.12.2012 10:00
e falta de capacidade esperar sempre do petroleo pois o petroleo deveria financiar e fomentar a economia de mercado em angola devidamente regulamentada porque angola ja mostrou no passado grandes capacidades de ter um produto interno bruto capaz de ter excedentes para alimentar as exportacoes tal como o acucar,o cafe,o sal,o milho,o peixe ,os produtos agro pecuarios e outros bens alimentares resultado do trabalho dos angolanos,se agora nao tem capacidade de gerirem os fundos do oge entao fiquem em casa e ao fim do mes recebam os salarios e deixem quem sabe trabalhar e nao roubar trabalhar

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Qui 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sexta-feira 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Passadeira Vermelha: Star Wars, Oprah Winfrey e filha de Whitney Houston acendem os holofotes!i
X
24.04.2015 16:24
O episódio 12 da #PassadeiraVermelha da VOA traz novidades da Oprah Winfrey, uns miminhos do Star Wars, daqueles bem bons e vamos ver quem rebentou o record de vendas de bilheteira de cinema das últimas semanas!
Vídeo

Vídeo Passadeira Vermelha: Star Wars, Oprah Winfrey e filha de Whitney Houston acendem os holofotes!

O episódio 12 da #PassadeiraVermelha da VOA traz novidades da Oprah Winfrey, uns miminhos do Star Wars, daqueles bem bons e vamos ver quem rebentou o record de vendas de bilheteira de cinema das últimas semanas!
Vídeo

Vídeo O Auxílio à morte nos Estados Unidos

Nos 18 anos da lei "Morte com Dignidade" no Oregon, cerca de 750 pessoas terminaram suas vidas com drogas letais. O medicamento também pode ser prescrito no Estado de Washington, Novo México, Vermont e Montana. Uma paciente terminal abriu o debate a outros estados
Vídeo

Vídeo Xenofobia na África do Sul

Na semana passada, a África do Sul foi tomada por ataques contra estrangeiros que moram no país. Alguns dizem que os ataques são culpa do legado do colonialismo, outros dizem que são problemas económicos da nação. Independentemente da causa, sul-africanos rezam pelo fim da violência.
Mais Vídeos