sábado, 25 abril, 2015. 00:20 UTC

Notícias / Angola

Malanje: UNITA denuncia más condições no distrito de Capulana

O município de Capulana foi ao longo de vários anos a praça-forte da UNITA.

Secretário da UNITA em Malanje, António Pedro Magalhães
Secretário da UNITA em Malanje, António Pedro Magalhães
Isaías Soares
A UNITA deplora as condições sociais dos habitantes do município de Capulana, a 56 quilómetros a leste de Malanje, onde o seu secretariado do Comité provincial esteve reunido na segunda sessão ordinária.


O secretário da UNITA na província, António Pedro Magalhães afirmou na sessão de abertura do encontro de dois dias e balanceou o desempenho daquele partido nas eleições gerais do ano passado, analisou as resoluções saídas da segunda reunião da comissão política nacional e aprovou o plano de acção para o presente ano, que a precariedade é visível a olho nu.

“Para dizer aos presentes que não foi necessário fazermos 24 horas para entender o que aqui se passa, através de uma incursão por alguns bairros adicionada a visita a alguns sectores sociais deu para entender a realidade social deste município”, defendeu.

Membros da comissão política nacional, do comité provincial e responsáveis das organizações intermédias da Unita, nomeadamente a LIMA e a JURA testemunharam o evento onde aquele político justificou que maior atenção no ano passado foi dedicada as eleições.

“Todos os esforços e energias estiveram direccionadas na preparação do partido para as eleições de 31 de Agosto”, justificou, acrescentando que as mesmas “não reflectiram a vontade soberana dos malanjinos nas quais a UNITA não se revê”.

O político continuou o seu discurso dizendo que “não concordamos com os resultados dessas eleições dada as evidências de fraudes que existiram e que o próprio regime não desmentiu”, apontando que a mais grave “foi de impedir quase metade dos eleitores de Malanje a não votarem, de forma propositada os dados dos eleitores foram dispersados, tendo nomes de eleitores de Kambundi-Katembo constado em cadernos de Massango, Marimba e vice-versa”. 

António Pedro Magalhães, número um da UNITA agradeceu na cerimónia o gesto do administrador do município que acolheu e proporcionou condições excelentes para a realização do referido evento.

O município de Capulana já foi ao longo de vários anos a praça-forte da União Nacional para a Independência Total de Angola, militar e política até ao primeiro sufrágio universal.
O forúm foi encerrado
Comentários
     
Năo existem comentários. Seja o primeiro

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Qui 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sexta-feira 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Passadeira Vermelha: Star Wars, Oprah Winfrey e filha de Whitney Houston acendem os holofotes!i
X
24.04.2015 16:24
O episódio 12 da #PassadeiraVermelha da VOA traz novidades da Oprah Winfrey, uns miminhos do Star Wars, daqueles bem bons e vamos ver quem rebentou o record de vendas de bilheteira de cinema das últimas semanas!
Vídeo

Vídeo Passadeira Vermelha: Star Wars, Oprah Winfrey e filha de Whitney Houston acendem os holofotes!

O episódio 12 da #PassadeiraVermelha da VOA traz novidades da Oprah Winfrey, uns miminhos do Star Wars, daqueles bem bons e vamos ver quem rebentou o record de vendas de bilheteira de cinema das últimas semanas!
Vídeo

Vídeo O Auxílio à morte nos Estados Unidos

Nos 18 anos da lei "Morte com Dignidade" no Oregon, cerca de 750 pessoas terminaram suas vidas com drogas letais. O medicamento também pode ser prescrito no Estado de Washington, Novo México, Vermont e Montana. Uma paciente terminal abriu o debate a outros estados
Vídeo

Vídeo Xenofobia na África do Sul

Na semana passada, a África do Sul foi tomada por ataques contra estrangeiros que moram no país. Alguns dizem que os ataques são culpa do legado do colonialismo, outros dizem que são problemas económicos da nação. Independentemente da causa, sul-africanos rezam pelo fim da violência.
Mais Vídeos