quarta-feira, 20 agosto, 2014. 08:45 UTC

Notícias / África

Solução argelina a crise de reféns divide analistas

Primeiro-ministro da Argélia diz que a forma como as forças armadas lidaram com os radicais islamicos é uma mensagem de que o terrorismo não sobreviverá no seu país

Abdelmalek Sellal, primeiro-ministro argelino defendeu o assalto militar as instalações de produção de gás de Ain Amenas, porque segundo ele os terroristas tinham planos para matar os reféns
Abdelmalek Sellal, primeiro-ministro argelino defendeu o assalto militar as instalações de produção de gás de Ain Amenas, porque segundo ele os terroristas tinham planos para matar os reféns

Multimédia

Áudio
  • Analistas comentam a resposta argelina a crise de reféns

Lisa Bryant
A dura resposta da Argélia que pôs fim a crise de reféns em que morreram dezenas de pessoas, é em partes suscitada pela sangrenta guerra civil durante a década de 1990, e foi sem surpresas para muitos dos observadores.

Contudo os analistas prevêem crises semelhantes decorrente do melhoramento das relações com a França, antiga potência colonizadora, pelo seu envolvimento activo no conflito maliano, e que podem atiçar represálias por parte de membros islamitas no território argelino.
 
Em menos de uma semana, a Argélia deixou de ser o expectador da luta contra radicais islâmicos no vizinho Mali, e tornou-se no palco central dessa mesma luta ao pôr fim a um ataque terrorista numa refinaria de gás na região desértica do país.

O governo argelino defendeu a dureza com que usou na resposta militar contra os captores de reféns, considerada como a mais sangrenta da memória mais recente.
Na conferência de imprensa difundida pela televisão francesa, o primeiro-ministro argelino Abdelmalek Sellal disse que o assalto militar contra os captores de reféns no complexo de Ain Amenas foi apropriado uma vez que os malfeitores tencionavam matar todos os captivos. O governante argelino disse que o mesmo envia uma forte mensagem de que o terrorismo não sobreviverá na Argélia.

Mas alguns governos estrangeiros dos quais seus cidadãos foram mortos no incidente questionam e chegam mesmo a considerar a hipótese de as autoridades argelinas terem podido evitar o elevado número de baixas. Kader Abderrahim um especialista do Magreb no instituto de Estudos Políticos de Paris, vai mais longe e considera a operação de um falhanço.

Diz o académico estar seguro que a imagem do governo argelino está internacionalmente debilitada. Sabemos agora que o regime não mudou, e jamais mudará. É brutalidade e uma forte política – sentenciou o professor Kader Adderrahim.
Mas outros analistas acreditam que as críticas internacionais agora suscitadas serão desvanecidas brevemente. Monsouria Mokhefi que chefia o Departamento do Médio Oriente e Norte de África no Instituto Francês de Relações Internacionais, diz que ninguém devia estar surpreendido com a resposta argelina.

Alguém que conhece um pouco o regime argelino não podia esperar outra coisa do que uma pesada, imediata e brutal reacção. Sempre foi assim quando as forças argelinas têm que enfrentar o terrorismo – e todos sabem que eles tinham que o enfrentar várias vezes durante as duas ultimas décadas – concluiu o académico.

A Argélia se tinha mergulhado numa sangrenta guerra civil na década de 1990 que forçou os militares a apoiarem o governo contra islamitas radicais. Dezenas de milhares de pessoas foram mortas logo a seguir as eleições em 1999, e até hoje as marcas desses conflitos ainda persistem. Milhares de pessoas desaparecidas ainda não foram reconhecidas pelas autoridades, e o cidadão comum acusam tanto as forças de segurança governamentais como os islamitas como responsáveis pela situação.

Internamente a oposição política criticou a operação militar na refinaria de Ain Amenas, mas os críticos comuns do governo acabaram por saudar a resposta do exército. Contudo todos têm a consciência de que a luta contra o terrorismo está longe do fim.
O forúm foi encerrado
Comentários
     
Năo existem comentários. Seja o primeiro

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Sexta 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Manchetes Americanas 19 Agosto 2014i
|| 0:00:00
...
 
🔇
X
19.08.2014 18:04
Noticias da America
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 19 Agosto 2014

E se uma aplicação lhe dissesse qual o seu valor como noiva? Pois já existe!
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 18 Agosto 2014

As notícias que marcam o início da penúltima semana de Agosto, no continente africano
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 15 Agosto 2014

As notícias de África em 60 segundos
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 14 Agosto 2014

Os assuntos que marcam a actualidade africana em apenas 60 segundos
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 13 Agosto 2014

As principais notícias que marcam a actualidade do continente africano
Vídeo

Vídeo "É preciso criar financiamento para mulheres no negócio informal", Lígia Fonseca

Entrevista nos estúdios da VOA com Lígia Fonseca, primeira-dama de Cabo Verde e advogada de profissão, que esteve em Washington, por ocasião da cimeira EUA/ África. Agosto 2014 ......
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 12 Agosto 2014

A actualidade africana em 60 segundos
Vídeo

Vídeo "Convite de Michelle Obama: certeza de que podemos estabelecer parcerias"

Na entrevista para a VOA, a primeira-dama de Cabo Verde, Dra. Lígia Fonseca, comentou a importância do convite da primeira-dama americana, Michelle Obama, e analisou a condição da mulher cabo-verdiana. Lígia Fonseca esteve em Washington, por ocasião da cimeira EUA/ África
Mais Vídeos