sexta-feira, 18 abril, 2014. 00:23 UTC

Notícias / África

Cientistas reúnem-se para travar a devastação de pragas da mandioca em África

Redução dos actuais níveis de produção pode afectar 300 milhões de pessoas e os ciêntistas pretendem colocar a África Ocidental de fora da ameaça

Tamanho das letras - +
Ann Look
Cientistas e especialistas agrícolas estão reundios em Bellagio na Itália para debater vias de combate de um vírus que tem destruído a cultura da mandioca na África Oriental há quase uma década.

O surgimento recente desse “rápido e proliferante” virus na República Democrática do Congo e Angola tem levantado preocupações de que o mesmo está em avanço para África Ocidental, e poderia atingir a Nigéria, o maior produtor e consumidor mundial de mandioca.

A mandioca é um tuberculo tropical, e poderá ser um milagre agricola para África. Cresce bem em terrenos pobres e em regiões de temperaturas elevadas, sendo assim resistente as mudanças climáticas, e requer pouca assistência. O seu tubérculo é rico em carbohidratos, vitaminas e minerais, e tem assegurado a dieta alimentar em todo o continente africano, e poderá alimentar no futuro, outros tantos milhões de pessoas.

A mandioca está a ser usada igualmente como um produto industrial, com a sua goma a ser empregue na produção de contraplacados, téxteis e papel – materiais que os especilaistas afirmam estar em vias de mudar as economias africanas e que países como a Nigéria já começaram a investir nesse domínio. Mas as doenças da mandioca têm contrariado as expectativas de agricultores africanos há uma centena de anos.

Uma dessas doenças,o vestígio castanho da mandioca, em particular, começou a dizimar plantações há dez anos na África Oriental, e actualmente está em avanço para a República Democrática do Congo. Essa praga da mandioca alastra-se de duas formas: através de insectos brancos, que os cintistas até afirmam não provocar o corte de produção nos países afectados, e através de estacas infectadas, que os agricultores usam para renovar as plantações.

O agrónomo Claude Fauquet dirige um grupo de Parceria Global da Mandioca para o século 21, e fala dos estragos dessa praga.

“A doença de estaca ou vestigio castanho da mandioca não se manifesta na planta como tal. A planta até cresce saudavelmente, mas a doença afecta apenas os tubérculos e só se dá conta dela durante a colheita. Ela retarda o surgimento do tubérculo. E não há nada que os agricultores possam fazer e nem mesmo os cinetistas ou organizações. Talvez  o bom seria, em oferecer estacas, livres desse virus, ou selecionar um novo tipo de estacas de mandioca cujos genes fossem resistentes a essa doença.”

Claude Fauquet disse que os cientistas chegaram a desenvolver uma variedade da planta de mandioca resistente ao virus e estão a experimenta-la na Tanzania. Fazem-no através de alterações nos laboratórios, e depois no terreno, vão de aldeia em aldeia, propondo aos agricultores esta nova variedade.

O agrónomo acrescentou que com essa nova planta, tem havido sucesso contra a praga de Mosaico da Mandioca, também conhecida por CMD. É a mais comum das doenças de mandioca em África e actualmente está quase que erradicada no continente. A CMD afecta inicialmente a planta da mandioca e não o tubérculo num primeiro tempo, permitindo que o agricultor possa salvar parte da cultura. O que não acontece no caso da doença de vestigios castanhos.

“Os tubérculos ficam completamente atrofiados. Os agricultores perdem completamente tudo. Enquanto a planta vai mostrando sinais de crescimento, eles vao trabalhando a terra, gastam energia..e um ano, ou 18 meses mais tarde, todas as raizes estão presentes, mas atrofiadas, e não podem ser comidas e nem processadas. Nem podem mesmo alimentar animais. Perde-se a produção durante um ciclo.”

Os especialistas afirmam que essa doença de vestígios castanhos de estacas da mandioca pode causar o corte em metade da produção de mandioca em África, e afectar 300 milhões de pessoas.

O engenheiro agrónomo Claude Fauquet considera que se deve agir com rapidez para evitar que a mesma se propague para a Africa Ocidental onde os países, como por exemplo a Nigéria dependem da produção de mandioca.
O forúm foi encerrado
Comentários
     
Năo existem comentários. Seja o primeiro

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Sexta 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Manchetes Africanas 17 de Abrili
|| 0:00:00
...
 
🔇
X
17.04.2014
Vídeo

Vídeo "Temos muitos problemas na Guiné-Bissau", Abel Incada, candidato presidencial

Os guineenses foram às urnas a 13 de Abril e estão expectantes num novo Governo de paz e estável
Vídeo

Vídeo África do Sul vai a votos a 7 de Maio

Na África do Sul, o ANC está em campanha difícil para segurar o seu domínio no Limpopo, onde ganhou 85 por cento dos votos em 2009.
Vídeo

Vídeo Pistorius está no banco dos réus e a acusação tem sido dura

Os acusadores tentaram descrever o atleta sul-africano Oscar Pistorius como egoísta e abusivo durante o segundo dia de interrogatório no seu julgamento por homicídio.
Vídeo

Vídeo A luta dos medicamentos baratos

O Governo da África do Sul vai aprovar reformas sobre propriedade intelectual – incluindo patentes de medicamentos – que para activistas de saúde poderão permitir que mais sul-africanos possam ter acesso a medicamentos genéricos,
Mais Vídeos