sábado, 26 julho, 2014. 01:04 UTC

Notícias / África

Cientistas reúnem-se para travar a devastação de pragas da mandioca em África

Redução dos actuais níveis de produção pode afectar 300 milhões de pessoas e os ciêntistas pretendem colocar a África Ocidental de fora da ameaça

Ann Look
Cientistas e especialistas agrícolas estão reundios em Bellagio na Itália para debater vias de combate de um vírus que tem destruído a cultura da mandioca na África Oriental há quase uma década.

O surgimento recente desse “rápido e proliferante” virus na República Democrática do Congo e Angola tem levantado preocupações de que o mesmo está em avanço para África Ocidental, e poderia atingir a Nigéria, o maior produtor e consumidor mundial de mandioca.

A mandioca é um tuberculo tropical, e poderá ser um milagre agricola para África. Cresce bem em terrenos pobres e em regiões de temperaturas elevadas, sendo assim resistente as mudanças climáticas, e requer pouca assistência. O seu tubérculo é rico em carbohidratos, vitaminas e minerais, e tem assegurado a dieta alimentar em todo o continente africano, e poderá alimentar no futuro, outros tantos milhões de pessoas.

A mandioca está a ser usada igualmente como um produto industrial, com a sua goma a ser empregue na produção de contraplacados, téxteis e papel – materiais que os especilaistas afirmam estar em vias de mudar as economias africanas e que países como a Nigéria já começaram a investir nesse domínio. Mas as doenças da mandioca têm contrariado as expectativas de agricultores africanos há uma centena de anos.

Uma dessas doenças,o vestígio castanho da mandioca, em particular, começou a dizimar plantações há dez anos na África Oriental, e actualmente está em avanço para a República Democrática do Congo. Essa praga da mandioca alastra-se de duas formas: através de insectos brancos, que os cintistas até afirmam não provocar o corte de produção nos países afectados, e através de estacas infectadas, que os agricultores usam para renovar as plantações.

O agrónomo Claude Fauquet dirige um grupo de Parceria Global da Mandioca para o século 21, e fala dos estragos dessa praga.

“A doença de estaca ou vestigio castanho da mandioca não se manifesta na planta como tal. A planta até cresce saudavelmente, mas a doença afecta apenas os tubérculos e só se dá conta dela durante a colheita. Ela retarda o surgimento do tubérculo. E não há nada que os agricultores possam fazer e nem mesmo os cinetistas ou organizações. Talvez  o bom seria, em oferecer estacas, livres desse virus, ou selecionar um novo tipo de estacas de mandioca cujos genes fossem resistentes a essa doença.”

Claude Fauquet disse que os cientistas chegaram a desenvolver uma variedade da planta de mandioca resistente ao virus e estão a experimenta-la na Tanzania. Fazem-no através de alterações nos laboratórios, e depois no terreno, vão de aldeia em aldeia, propondo aos agricultores esta nova variedade.

O agrónomo acrescentou que com essa nova planta, tem havido sucesso contra a praga de Mosaico da Mandioca, também conhecida por CMD. É a mais comum das doenças de mandioca em África e actualmente está quase que erradicada no continente. A CMD afecta inicialmente a planta da mandioca e não o tubérculo num primeiro tempo, permitindo que o agricultor possa salvar parte da cultura. O que não acontece no caso da doença de vestigios castanhos.

“Os tubérculos ficam completamente atrofiados. Os agricultores perdem completamente tudo. Enquanto a planta vai mostrando sinais de crescimento, eles vao trabalhando a terra, gastam energia..e um ano, ou 18 meses mais tarde, todas as raizes estão presentes, mas atrofiadas, e não podem ser comidas e nem processadas. Nem podem mesmo alimentar animais. Perde-se a produção durante um ciclo.”

Os especialistas afirmam que essa doença de vestígios castanhos de estacas da mandioca pode causar o corte em metade da produção de mandioca em África, e afectar 300 milhões de pessoas.

O engenheiro agrónomo Claude Fauquet considera que se deve agir com rapidez para evitar que a mesma se propague para a Africa Ocidental onde os países, como por exemplo a Nigéria dependem da produção de mandioca.
O forúm foi encerrado
Comentários
     
Năo existem comentários. Seja o primeiro

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Sexta 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Mamografias 3D revolucionam detecção do cancro da mamai
X
25.07.2014 18:44
Durante anos as mamografias desempenharam um papel vital na detecção do cancro da mama. Mas nem sempre conseguem identificar tumores perigosos. A tecnologia a três dimensões pode revolucionar a triagem e salvar vidas
Vídeo

Vídeo Mamografias 3D revolucionam detecção do cancro da mama

Durante anos as mamografias desempenharam um papel vital na detecção do cancro da mama. Mas nem sempre conseguem identificar tumores perigosos. A tecnologia a três dimensões pode revolucionar a triagem e salvar vidas
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 25 Julho 2014

Os títulos que encerraram a semana no continente africano. Dos ataques do Boko Haram à expansão do vírus do ébola
Vídeo

Vídeo Manchetes Americanas 24 Julho 2014

Os principais acontecimentos que marcam a actualidade americana na penúltima semana do mês de Julho
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 24 Julho 2014

Os principais títulos que marcam a actualidade de África nesta Quinta-feira
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 23 Julho 2014

Os principais títulos que marcam a actualidade de África
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 22 Julho 2014

Os principais acontecimentos de 22 de Julho no continente africano
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 17 Julho 2014

Os principais acontecimentos que marcaram a actualidade desta Quinta-feira
Mais Vídeos