Links de Acesso

Vigílias vão continuar, dizem organizadores

  • Redacção VOA

Vigília em Luanda a favor de activistas angolanos

Vigília em Luanda a favor de activistas angolanos

Aparato policial "obrigou" a desmobilização de 100 pessoas na noite de domingo.

As vigílias em Luanda a favor dos activistas detidos e acusados de de crimes de rebelião, golpe de Estado e falsificação de documentos vão contiuar enquanto as vidas de Luaty Beirao e Nelson Dibango estiverem em perigo.

O anúncio é dos organizadores das vigílias que vêm sendo realizadas desde a passada quinta-feira no largo da Igreja da Sagrada Família.

Vigília em Luanda a favor de activistas angolanos

Vigília em Luanda a favor de activistas angolanos

Nos três primeiros dias, a polícia esteve presente e as vigílias decorreram normalmente, mas neste domingo, quando as forças da ordem montaram um forte dispositivo para dispersar o grupo de cerca de 100 pessoas que portavam cartazes de apoio a Luaty Beirão e Nelson Dibango que se encontram em greve de fome e mais 15 revús, os presentes decidiram abandonar o local.

A decisão, segundo Pedro Pedrowski, um dos organizadores da vigília, foi tomada depois de um abordagem do comandante da polícia e dos preparativos que estavam a ser feitos com carro de água para carregar sobre o grupo.

Vigília em Luanda a favor de activistas angolanos

Vigília em Luanda a favor de activistas angolanos

Luaty Beirão, que se encontra em greve de fome há 21 dias, tem sido o foco principal das vigílias devido ao seu debilitado estado de saúde, que levou as autoridades a transferi-lo para o hospital-prisão de São Paulo na passada sexta-feira.

O rapper e activista é filho de João Beirão, já falecido, fundador e primeiro presidente da Fundação Eduardo dos Santos (FESA), entre outras funções públicas, sendo descrito por várias fontes como tendo sido sempre muito próximo do Presidente angolano.

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG