Links de Acesso

Vice-presidente da Casa-CE sugere adiamento da transformação em partido

  • Redacção VOA

Alexandre Sebastião

Alexandre Sebastião

Alexandre Sebastião diz que não haverá tempo para preparar o partido a tempo das eleições.

A intenção de transformar a Convergência Ampla de Salvação de Angola (Casa-CE) em partido político pode conhecer a primeira contrariedade depois de um dos seus vice-presidentes ter considerado que tal pretensão pode ser bastante prejudicial para a coligação política.

Na última quinta-feira, a direcção da coligação liderada por Abel Chivukuvuku anunciou, em conferência de imprensa, que o congresso, que visa transformar em partido a actual terceira força política angolana, tinha sido definitivamente marcado para o mês de Julho em Luanda.

Mas esta vontade foi contrariada pelo vice-presidente da agremiação política, Alexandre Sebastião, do Pada-Aliança Patriótica, que sugere o adiamento da transformação em partido para depois da eleições gerais marcadas para 2017.

Em declarações à VOA, Sebastião considera que dissolver a actual coligação política e criar um novo partido, a pouco menos de um ano das eleições gerais em Angola, é um erro que os dirigentes devem evitar.

O político alega que o novo partido a ser formado não teria tempo para se afirmar na cena política angolana.

Alexandre Sebastião esclareceu, entretanto, que a tese defendida pelo seu partido, o Pada-Aliança Patriótica, não deve ser entendida como um sinal indicativo de ruptura no seio da Casa-CE.

Com oito deputados no Parlamento, a Casa-CE é uma coligação partidária integrada pela Aliança Livre de Maioria Angolana (Palma), pelo Partido de Apoio para Democracia e Desenvolvimento de Angola-Aliança Patriótica (Padda-AP), pelo Partido Pacífico Angolano (PPA) e pelo Partido Nacional de Salvação de Angola (PNSA).

XS
SM
MD
LG