Links de Acesso

UNITA reage aos raptos e violencia contra militantes políticos e activistas cívicos

  • Redacção VOA

Alcides Sakala, porta-voz da UNITA

Alcides Sakala, porta-voz da UNITA

Alcides Sakala, porta-voz do principal partido da oposição diz ser difícil parar com essas acções do regime contra os opositores e apela a intervenção da comunidade internacional

A direcção da UNITA já reagiu a vaga de violencia pós-eleitoral que tem marcado o país, em que vários membros do partido e activistas cívicos estão a ser presos e raptados por alegados grupos de desconhecidos.

Alcides Sakala porta-voz do partido do Galo Negro reconheceu ser dificil encontrar uma resposta a essa situação. Para ele, trata-se de uma repetição de feitos que ilustram o caracter autoritário e anti-democrático do regime angolano.

Na entrevista concedida à Voz da América, esse membro da UNITA prometeu para amanhã trazer mais detalhes sobre os três principais casos até então relatos pela imprensa.

Durante o fim-de-semana uma militante desse partido, da região de Cacuaco foi raptada por desconhecidos que mais tarde prometeram-lhe dinheiro, casa e outros bens materiais para abandonar o partido. Segundo ainda a vitima que já se encontra em liberdade, os seus raptores queriam que ela depois da aceitação das promessas viesse ao público através da imprensa fazer declarações sobre o seu desvinculamento do partido, ao mesmo tempo que iria fazer denúncias contra o seu líder, Isaías Samakuva.

No Uíge, um músico conhecido por Beimani foi raptado e mantido em cativeiro durante horas por alegados elementos do MPLA. A vítima diz que os seus raptores queriam demove-lo do seu projecto de organizar uma manifestação nacional para protestar contra os resultados eleitorais.

No Bailundo vários membros da UNITA foram presos pela polícia no fim-de-semana, depois de disputas com membros do MPLA. Os detidos deverão ser apresentados a justiça nos próximos dias.

Esta vaga de actos de violencia têm preocupado a UNITA, e o seu porta-voz, Alcides Sakala diz que essa prática de sequestros, raptos, e prisões arbitrárias é reiterada e que arrasta de alguns anos p'ra cá,mas que infelizmente não tem havido soluções.

Sakala diz que é mais um caso que ocorre depois da eleições de 31 de Agosto, e naturalmente o seu partido vai seguir os mesmos tramites no sentido de pressionar as autoridades até que a solução deste problema.

"É de facto uma questão que nos preocupa, e nós temos vindo a fazer apelos à comunidade internacional no sentido de acompanharem com atenção esta situação, para ver se podemos pôr cobro a este quadro de violações dos direitos humanos de uma forma definitiva" - rematou o porta-voz da UNITA, Alcides Sakala.

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG