Links de Acesso

Trump começa a moldar Casa Branca com figurão republicano e conselheiro polémico


Donald Trump com Reince Priebus no púlpito durante a campanha eleitoral

Donald Trump com Reince Priebus no púlpito durante a campanha eleitoral

O Presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, está a seleccionar os futuros ocupantes de outros postos de primeiro escalão de seu governo depois de escolher o veterano de Washington, Reince Priebus, como chefe de gabinete da Casa Branca e o polémico Stephen Bannon como seu principal conselheiro.

Menos de uma semana depois de sua vitória surpreendente sobre a democrata Hillary Clinton na eleição presidencial de Terça-feira passada, 8, a escolha de Trump por Priebus, presidente do conselho do Comitê Nacional Republicano e amigo do presidente da Câmara dos Deputados, Paul Ryan, pode ajudá-lo a remediar as relações desgastadas com membros do establishment do Partido Republicano.

Mas Trump também nomeou Bannon, o combativo ex-director do site de direita Breitbart News, como seu estrategista e conselheiro sénior. Um comunicado disse que Bannon e Priebus irão "trabalhar como parceiros igualitários para transformar o governo federal".

A escolha de cada um deles pode revoltar um segmento dos apoiantes de Trump. Seguidores radicais do magnata que contavam que ele mantivesse a sua promessa de campanha de "limpar o pântano" de figuras de Washington que querem manter o status quo podem ficar decepcionados com a escolha de Priebus como chefe de gabinete, que controla o acesso ao Presidente norte-americano e a sua agenda.

Já republicanos mais tradicionais podem ficar tensos com a escolha do agressivo Bannon para um dos maiores cargos da Casa Branca.

Num comunicado, Trump disse que tanto Bannon quanto Priebus são "líderes altamente qualificados" que o ajudaram na disputa pela Sala Oval.

O Presidente Barack Obama, que Trump irá suceder no dia 20 de Janeiro, planeia realizar uma conferência de imprensa às 15h15 (horário de Washington DC) desta segunda-feira, 14, antes de partir para uma viagem internacional. O democrata, que prometeu uma transição pacífica com Trump apesar das suas diferenças políticas acentuadas, certamente será indagado pelos repórteres a respeito das nomeações do sucessor.

Os democratas criticaram duramente a indicação de Bannon. O deputado Adam Schiff twittou: "Selecção de Steve Bannon para papel de destaque na CB (Casa Branca) não surpreende mas alarma. Suas posições de direita alternativa, anti-semitas e misóginas não têm lugar na CB".

Desde a eleição, Trump vem suavizando uma das suas principais promessas de campanha, a de construir um muro na fronteira com o México. Numa entrevista ao programa "60 Minutos" do canal CBS que foi exibida no Domingo, Trump disse que aceitaria erguer uma cerca ao invés de um muro em algumas áreas.

Reuters

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG