Links de Acesso

Tensão militar afecta produção dos agricultores moçambicanos


Agricultores têm medo de ir às "machambas".

O clima dos confrontos militares em algumas zonas de Moçambique, principalmente no centro do país, está a tirar tranquilidade aos produtores agrários, o pode influenciar na produção esta ano.

Agricultores têm manifestado às autoridades o seu receio em irem aos campos agrícolas, devido aos ataques nas regiões próximas às suas machambas, bem como aos camiões que escoam a produção ao longo da estrada nacional.

"Neste momento, os nossos produtores perguntam onde é que vão comercializar os produtos se há ataques nas estradas? Nós sempre aconselhamos para terem paciência, pois este é um assunto que vai ter fim, mas isso não pode acontecer porque desmoraliza os produtores que querem produzir e comercializar na Beira, em Maputo e noutras regiões", disse Pedro Zucule, do Departamento de Agricultura em Nampula.

Na última semana, vários camiões com insumos e produtos agrícolas foram alvos de ataques, o que levou as Forças de Defesa e Segurança a introduzirem uma coluna militar para escoltar camiões e viaturas civis ao longo da estrada nacional número sete.

Inácio Dina, porta-voz do Comando da Polícia da República de Moçambique, acusou a Renamo pelos ataques.

"Comboios, os alvos civis, a população indefesa, as crianças, alunos e estudantes que não estão ir à escola não têm culpa por algum infortúnio que este partido político tenha no processo político", afirmou Dina.

Entretanto, estes ataques têm atingido outros sectores económicos como o de transportes.

A Vale Moçambique, subsidiária da multinacional brasileira Companhia Vale do Rio Doce, decidiu interromper, na semana passada, o transporte de carvão mineral que explora nos jazigos de Moatize, província de Tete, por causa dos sistemáticos ataques que as suas locomotivas têm sido vítimas.

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG