Links de Acesso

Trinta mortos no Sudão em resultado de conflitos étnicos


Trinta mortos no Sudão em resultado de conflitos étnicos

Trinta mortos no Sudão em resultado de conflitos étnicos

Apesar dos confrontos, o referendo sobre a independência do Sul do Sudão está a registar uma grande afluência às urnas

Há notícia de 30 mortos, no Sudão, em resultado de três dias de violentos combates ocorridos entre elementos das etnias Misseriya e Ngok Dinka, no disputado distrito de Abyei, zona rica em petróleo, apesar da situação ser pacífica nos locais onde estão instaladas as assembleias de voto.

O referendo sobre a independência do Sul do Sudão está a registar uma grande afluência às urnas. Em Juba, ronda os 20 por cento. Na região de Wau, já votaram entre 60 a 80 por cento dos eleitores.

Pelo segundo dia consecutivo, os votantes formaram longas filas em assembleias de voto na capital, Juba, em um pouco por todo o território.

A votação vai prolongar se por toda a semana, terminando no sábado, sendo necessária uma afluência de 60 por cento para que os resultados sejam considerados válidos.

O referendo desta semana faz parte de um acordo assinado em 2005 e que pôs fim à guerra entre o Norte e o Sul. A Voz da América está a companhar de perto a votação. Em Juba, está Scott Bobb, enviado especial da VOA.

O embaixador português António Monteiro é um dos três elementos que integram um painel para acompanhar o referendo no Sudão, nomeado pelo secretário-geral da ONU e liderado pelo antigo presidente Benjamin Mkapa, antigo presidente da Tanzânia. O embaixador Monteiro esteve hoje a acompanhar a votação na cidade de Wau, no Sul do Sudão. O Filipe Vieira, contactou aquele diplomata quando este seguia num “jeep” das Nações Unidas de Wau para Raja, onde irá estar amanhã para o terceiro dia da votação. Monteiro destacou a forma ordeira e disciplinada como a votação está a decorrer, não obstante as dificuldades enfrentadas pelas autoridades sudanesas para pôr em prática o referendo.

Questionado sobre as questões ainda em aberto, como seja a delimitação de fronteiras e a exploração do petróleo, o embaixador António Monteiro considera serem “questões complicadas” , mas adiantou estar em crer que “o bom ambiente que se criou com a realização do referendo e – espero – com a aceitação dos resultados e o bom entendimento entre o Norte e o Sul se possa manter e possa facilitar as negociações e levar à execução dos últimos passos do acordo de paz global, que estará em vigor até 9 de Julho” e que então se tenha oportunidade para celebrar um novo.

XS
SM
MD
LG