Links de Acesso

Situação da infância no mundo é sombria, mas há alternativas

  • Redacção VOA

Piores indicadores estão na África Subsariana, de acordo com relatório da Situação Mundial da Criança divulgado pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância.

A infância não vai bem no mundo, aliás ela piorou nos últimos tempos e o futuro é bem sombrio.

A situação é mais dramática na África Subsariana.

O relatório sobre a Situação Mundial da Criança divulgado pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) nesta terça-feira, 28, revela que, com base nas tendências actuais, um total de 69 milhões de crianças menores de 5 anos morrerão de causas evitáveis, 167 milhões de crianças viverão na pobreza e 750 milhões de mulheres serão casadas enquanto ainda crianças até 2030, o ano estabelecido como meta dos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável.

O documento pinta um quadro bastante negativo sobre o que esperam as crianças mais pobres do mundo se governos, doadores, empresas e organizações internacionais não acelerarem os esforços para resolver as suas necessidades.

“Negar a centenas de milhões de crianças uma oportunidade justa na vida faz mais do que ameaçar o seu futuro” porque, de acordo com o director executivo do Unicef, Anthony Lake, “esta situação alimenta ciclos inter-geracionais de desvantagens, que põem em perigo o futuro das suas sociedades”.

Apesar desse quadro sombrio e ameaçador do futuro das crianças, o relatório reconhece ter sido feito um progresso considerável para salvar a de vida de crianças, na escolarização infantil e no empenho de retirar pessoas de situações de pobreza.

“A taxa de mortalidade global de menores de cinco anos baixou cerca de metade desde 1990, números iguais de meninos e meninas frequentam a escola primária em 129 países e hoje o número de pessoas no mundo vivendo na pobreza extrema é quase metade do que era na década de 1990”, pode-se ler no relatório, que reconhece, no entanto, que este progresso não tem sido uniforme e nem justo.

África Subsariana

“As crianças mais pobres têm duas vezes mais probabilidade de morrer antes do seu quinto aniversário e de ser cronicamente subnutridas, do que as mais ricas”, documenta o relatório, mostrando ainda que em grande parte da Ásia do Sul e África Subsariana, crianças nascidas de mães sem escolaridade são quase três vezes mais sujeitas a morrer antes dos cinco anos de idade do que aquelas cujas mães tenham o ensino secundário, “as meninas das famílias mais pobres são duas vezes mais propensas a casar na infância, do que as meninas de famílias mais ricas”.

De acordo com o Unicef, “em nenhum lugar o quadro é mais sombrio do que na África Subsariana, onde pelo menos 247 milhões de crianças – ou seja duas em cada três – vivem na pobreza multidimensional, privadas do que precisam para sobreviver e se desenvolver”.

Nesta mesma região do continente, quase 60 por cento dos jovens de 20 a 24 anos da quinta parte mais pobre da população teve menos de quatro anos de escolaridade.

O relatório indica ainda que, a continuar a situação actual, nove em cada 10 crianças vivem em pobreza extrema na África Subsariana.

“Embora a educação desempenhe um papel único no nivelamento do campo de jogo para as crianças, o número de crianças que não frequentam a escola aumentou desde 2011 e uma proporção significativa das que frequentam a escola não estão aprendendo”, denunciam os especialistas do Unicef, lembrando que “aproximadamente 124 milhões de crianças hoje não recebem educação primária ou ensino secundário inicial e quase duas em cada cinco alunos que completam a escola primária não aprendem a ler, escrever ou como fazer aritmética básica”.

Investimentos com retorno

O relatório evidencia ainda que investir nas crianças mais vulneráveis pode trazer benefícios imediatos e de longo prazo.

Por isso, os especialistas do Unicef disseram que “transferências monetárias, por exemplo, provaram ser úteis para ajudar crianças a permanecer na escola por mais tempo e a avançar a níveis mais elevados de educação”, acrescentando que, em média, cada ano adicional de ensino que uma criança recebe aumenta o seu rendimento na idade adulta em cerca de 10 por cento”.

O relatório conclui que “a desigualdade não é inevitável, nem insuperável” e que “obter melhores dados sobre as crianças mais vulneráveis, implementar soluções para desafios enfrentados pelas crianças, estabelecer formas inovadoras para resolver problemas antigos, aumentar investimentos equitativos e maior participação por parte das comunidades podem ajudar a nivelar o campo de jogo para as crianças”.

XS
SM
MD
LG