Links de Acesso

Sindicatos de Cabo Verde traçam quadro sombrio

  • Eugénio Teixeira

Foto de Arquivo

Foto de Arquivo

Segundo os sindicatos, nos últimos anos, os trabalhadores cabo-verdianos perderam 12,5% do poder de compra.

O secretário-geral da Confederação Cabo-verdiana dos Sindicatos Livres (CCSL) descreveu a situação laboral no arquipélago de péssima, enquanto o líder da outra central sindical, a UNTC-CS, afirma que apesar de algumas conquistas alcançadas, o balanço é negativo.

José Manuel Vaz considera que nos últimos anos os trabalhadores cabo-verdianos perderam 12,5% do poder de compra, já que há cinco anos que não se regista aumento salarial, quando o custo de vida dispara quase todos os dias.

O líder da CCSL fala da precariedade do trabalho e aumento do desemprego, que ronda os 15,4 por cento.

“A segurança social é preocupante, já que a gestão do Instituto da Previdência Social tem sido lesiva aos interesses dos trabalhadores e contribuintes”, acusa Vaz, para quem, enquanto corta direitos dos trabalhadores nomeadamente subsídios de evacuação, assistência médica e medicamentosa, pensão e outras regalias, o INPS dá-se ao luxo de investir em empresas falidas como “a TACV e a Electra”.

Outra questão que preocupa José Manuel Vaz prende-se com a lei laboral, que o Governo pretende alterar, situação que, na opinião daquele dirigente, vai prejudicar os direitos adquiridos de muitos trabalhadores, nomeadamente no capítulo das indemnizações.

Apesar de congratular-se com a implementação do salário mínimo e do subsídio do desemprego, Vaz afirma que apenas isso não resolverá os principais problemas dos trabalhadores.

O país registou várias greves e manifestações de classes profissionais, situação que, segundo José Manuel Vaz, decorre da falta de cumprimento do Governo dos acordos assumidos com os trabalhadores e sindicatos, no sentido de resolver situações relacionadas com reclassificações, progressões e promoções.

O sindicalista não concorda com a tese de ser apenas a “crise” a causadora de todos os males laborais e sociais no país.

O líder da CCSL afirma que os recursos existentes estão a ser mal distribuídos porque enquanto uns comem quase tudo, os mais desfavorecidos ficam praticamente sem nada.

Por sua vez, o secretário-geral da UNTC-CS reconhece de uma forma geral a situação laboral foi negativa em 2015, tendo em conta um conjunto de constrangimentos, nomeadamente o desemprego, a estagnação salarial e das carreiras, situações que reduziram o poder de compra dos trabalhadores.

Ainda assim, Júlio Ascensão Silva considera que há ganhos a registar, nomeadamente a introdução do salário minimo, o subsídio do desemprego e a inclusão de representantes dos trabalhadores na gestão do Instituto da Previdência Social.

A questão da requisição civil muito contestada pelos sindicatos, já que condicionava a realização da greve, constitui segundo Ascensão Silva, outro grande ganho para a classe trabalhadora.

No que se refere à gestão do Instituto da Previdência Social, Júlio Ascensão Silva ressalva a importância dos sindicatos estarem representados no Conselho Executivo, facto que contribui para reforçar a gestão da instituição na defesa dos contribuintes segurados.

XS
SM
MD
LG