Links de Acesso

Saúde no Sumbe em estado precário

  • Fernando Caetano

Sumbe, Angola

Sumbe, Angola

No Sumbe, a exemplo dos demais municípios da província de Kwanza Sul, existem dois hospitais de referência, cerca de 10 centros e vários postos de saúde, mas que não exercem o seu verdadeiro papel que é o de salvar vidas.

Essas unidades sanitárias, sobretudo os centros e postos de saúde, além de enfrentarem a falta de bens e serviços, não têm recursos humanos suficientes.

Por este facto, algumas unidades sanitárias não abrem as portas nos feriado e fins-de-semana, como no centro médico da Assaca.

“O paciente recebe a ficha, mas depois não é atendida ou tem de esperar muito. Eles trabalham com um horário limitado”, disse um paciente.

Mas também há falta de vacinas. Por exemplo, no centro de saúde de Pedra-Um, um pai estava visivelmente aborrecido por o filho não ter sido vacinada por falta de vacinas.

“Duas vezes a minha esposa regressou do centro por falta de vacina, há dois meses que esta criança devia ser vacina, mas dizem que temos de voltar na próxima semana porque não há a vacina, e às vezes temos de comprar a seringa porque o hospital não tem”, lamentou.

Em jeito de resposta, o chefe do centro de saúde de Pedra-Um, Paulo Zenga, não confirma mas também não desmente as afirmações de populares e pacientes.

“Está aberto a partir das 6 horas, mas por falta de técnicos não podemos atender durante as 24 horas. Oferecemos os cuidados primários de saúde e consultas, mas sete enfermeiros não conseguem enfrentar a demanda dessa imensa população”, reconheceu Zenga.

Com mais de 300 mil habitantes, o município do Sumbe enfrenta, por outro lado, doenças diarreicas e respiratórias agudas, diabetes e paludismo, entre outras.

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG