Links de Acesso

São Tomé: Polícias em greve sentem-se coagidos pelo Governo

  • Óscar Medeiros

Há 24 dias que os agentes da polícia de investigação criminal estão em greve e sem prestação dos serviços mínimos.

Em São Tomé, a comissão dos grevistas da polícia de investigação criminal acusa o governo de coagir os agentes em greve.


Há mais de três semanas que a PIC paralisou as suas actividades para exigir o pagamento dos subsídios de risco e de piquete. É a mais longa greve da história da função pública santomense.

Tony Leal porta-voz da comissão dos grevistas acusa o governo de coacção aos agentes em greve.

A comissão dos grevistas denuncia ainda outras manobras do governo para tentar fracassar a paralisação, entre elas a nomeação de um dos membros da comissão da greve para o cargo de vice-director da instituição.

Os agentes da PIC aproveitaram o debate do OGE para 2014 e enviaram à Assembleia Nacional uma petição exigindo o cumprimento da lei que estabelece o pagamento dos subsídios de risco e de piquete aos polícias de investigação criminal.

O primeiro-ministro Gabriel Costa diz não ter condições financeiras para satisfazer as reivindicações dos agentes mas o Secretário-Geral da UGT-STP (União Geral dos Trabalhadores de São Tomé e Príncipe) Costa Carlos desvaloriza os fundamentos do primeiro-ministro e acusa o governo de falta de interesse em encontrar uma solução para a greve.
XS
SM
MD
LG