Links de Acesso

Renamo reclama vitória nas eleições de Moçambique

  • VOA Português

António Muchanga

António Muchanga

Em conferência de imprensa António Muchanga diz que os dados baseiam-se nos editais já conhecidos.

O porta-voz do presidente da Renamo Afonso Dhlakama disse há momentos que o seu partido ganhou as eleições gerais em Moçambique.

António Muchanga fez estas declarações nesta qunta-feira, 16, depois de os primeiros resultados divulgados e de projecções do Centro de Integridade Pública apontarem para a vitória de Filipe Nyusi, da Frelimo.

A Renamo reivindica a vitória em todos os círculos eleitorais do centro e norte país, à excepção de Cabo Delgado, província natal de Nyusi, e "uma votação muito expressiva na região sul".

A afirmação de Muchanga, em conferência de imprensa, baseia-se, segundo disse, na contagem realizada pelo partido a partir dos editais afixados nas assembleias de voto onde a apuração terminou.

Entretanto, apesar de reclamar a vitória, António Muchanga afirmou que o que está em causa "não é uma questão de vencer, é sim uma questão de justeza e transparência dos actos eleitorais, regras intrínsecas a uma verdadeira democracia".

"Para nós a questão de fundo é que o processo eleitoral tem de ser transparente. Não pode haver manipulações, para que o vencedor não tenha mancha", disse António Muchanga.

Apesar de questionado por jornalistas, o porta-voz de Afonso Dhlakama não revelou os próximos passos de Renamo.

Projecções do Centro de Integridade Pública indicam que o candidato presidencial Filipe Nyusi irá vencer com cerca de 60% dos votos.

Afonso Dhlakama, da Renamo, segundo o CIP, deverá obter 32 por cento, enquanto a grande desilusão pode ser Daviz Simango, que não terá mais de 8 por cento.

Nas eleições de 2009, o candidato da Frelimo Armando Guebuza obteve 75 por cento, enquanto Afonso Dhlakama ficou com 16%.

No que diz respeito à Assembleia da República, as projecções indicam que a Frelimo vai perder quase 50 lugares, caindo de 191 para 142 lugares, enquanto a Renamo terá 75 deputados, contra 49 que possui hoje. O MDM deve passar de oito para 30 lugares no parlamento.

Os resultados oficiais devem ser anunciados amanhã, 17.

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG