Links de Acesso

Renamo diz que "não tem medo da guerra" após raid contra delegação de Nampula


Blindado da policia de Moçambique, baleado pelos antigos guerrilheiros da Renamo, durante o raide contra a delegação do principal partido da oposição em Nampula

Blindado da policia de Moçambique, baleado pelos antigos guerrilheiros da Renamo, durante o raide contra a delegação do principal partido da oposição em Nampula

"De todos os quadrantes do partido chegam mensagens que manifestam o desejo de retaliação" - Renamo

A Renamo avisou que "não tem medo da guerra", horas após um raide da polícia contra a sua delegação em Nampula onde estavam acantonados, há três meses, centenas de antigos guerrilheiros do principal partido da oposição.

O secretário-geral da Renamo, Ossufo Momade, disse quinta-feira, em Maputo que o ataque aos "desmobilizados indefesos suscitou a resposta da guarda presidencial (da Renamo)" e que o líder do partido, Afonso Dhlakama, está a ponderar uma resposta: "De todos os quadrantes do partido chegam mensagens que manifestam o desejo de uma reação de retaliação".

Blindado da polícia nas ruas de Nampula, após o ataque à delegação da Renamo

Blindado da polícia nas ruas de Nampula, após o ataque à delegação da Renamo

Momade apelou à calma, mas avisou que "o futuro de Moçambique está dependente do contacto" entre o Presidente da República, Armando Guebuza, e o presidente da Renamo, Afonso Dhlakama, que pediu ao Chefe de Estado explicações sobre o sucedido.

A operação, que foi chefiada pela Força de Intervenção Rápida e o Grupo de Operações Especial, culminou com um forte tiroteio, na madrugada de quinta-feira, colocando frente a frentes estas forças e as antigas tropas de Afonso Dhlakama.

Um agente da polícia foi morto, enquanto o outro foi atingido com muita gravidade, estando desde as primeiras horas a receber tratamentos intensivos, disse a Policia. Porém a Renamo alega que terá morto 7 agentes da policia, um dos quais o comandante que estava a coordenar a operação, contra dois feridos ligeiros nas tropas de Afonso Dhlakama.

Polícia identifica um dos membros da Renamo detido no raide

Polícia identifica um dos membros da Renamo detido no raide

Até ao momento, há informação de que 23 antigos guerrilheiros foram detidos pela polícia, que recuperou 6 armas metralhadoras AK47. A Renamo diz que também recuperou uma arma de fogo e desmente as informações policiais.

No seio da população da cidade de Nampula, reina um total pânico, terror, medo e incerteza, tendo em conta o tamanho dos confrontos havidos.

Em Nampula, algumas escolas, mercados, estabelecimentos comercias, instituições governamentais e não governamentais preferiram não abrir as portas para os seus utentes.

Rua Dos Sem Medos, onde se situa a delegaçºao da Renamo em Nampula, praticamente vazia após os incidentes

Rua Dos Sem Medos, onde se situa a delegaçºao da Renamo em Nampula, praticamente vazia após os incidentes

Os moradores da zona onde se encontra localiza a delegação da Renamo estão proibidas de circular pela polícia, uma vez que depois da operação, alguns ex-guerilheiros evadiram-se e esconderam em quintas.

Outros recorreram à residência do seu líder, onde ao chegar foram devidamente armados e posicionados.

Mecânico procede a reparações num blindado da polícia danificado no ataque

Mecânico procede a reparações num blindado da polícia danificado no ataque

A polícia rodeou a residência de Afonso Dhlakama, mas não se atreve a invadir, porque este reforçou ao mais alto nível sua segurança pessoal. O carro blindado da polícia foi fortemente atingido, tendo sido penetrado por balas e uma das rodas furadas.

Edifício da delegação da renamo em Nampula

Edifício da delegação da renamo em Nampula

A polícia nega que tenha invadido a delegação da Renamo, porque segundo diz o seu porta-voz, João Inácio Dina, a polícia respondeu apenas à violência que uma equipa de rendição recebeu quando, por volta das 5h00, tentou circular a Rua dos Sem Medos (onde está situada a delegação da Renamo).

O chefe da segurança da Renamo disse numa conferência de imprensa que, a qualquer momento, o seu partido poderá responder a esta provocação do partido no poder.

Simão Bute, chefe da segurança da Renamo em Nampula, fala com os jornalistas após a operação policial

Simão Bute, chefe da segurança da Renamo em Nampula, fala com os jornalistas após a operação policial

“A Frelimo declarou guerra em Moçambique, não só Nampula, porque a nossa resposta pode começar em qualquer momento e em qualquer canto deste pais,” disse Simão Bute

O Governador de Nampula encontra-se de visitas aos distritos, mas o Secretario Permanente Provincial, António Maquina disse a nossa reportagem que o executivo não foi colhido de surpresa e não há razão de as comunidades continuarem em pânico, porque tudo foi no período da manhã.

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG