Links de Acesso

Refugiados angolanos no Congo vão ser repatriados

  • VOA Português

Luanda e Kinshasa chegam a acordo quanto ao regresso de 30.000 angolanos, mas muitos querem ficar.

Os governos de Angola e da República Democrática do Congo acordaram mais uma operação de repatriamento de cerca de 30 mil refugiados angolanos a partir da segunda quinzena de Agosto.

Os primeiros regressados deverão entrar pela província angolana do Uíge.

A decisão foi tomada um encontro tripartido, que terminou hoje, 30, e que juntou em Luanda representantes dos Governos de Angola e da República Democrática do Congo e o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).

A reunião definiu o final deste ano como prazo para a conclusão do processo de repatriamento de ex-refugiados na República Democrática do Congo (RDCongo) e 2015 para a atribuição de cidadania aos que optarem por ficar.

O director nacional para a reinserção social do Ministério da Reinserção Social André Nzinga Nkula anunciou que será organizada uma operação de integração de cerca de 16 mil angolanos que preferiram continuar a viver no país de acolhimento, a exemplo do que aconteceu com os refugiados noutros países vizinhos de Angola.

Cerca de 72 mil refugiados vivem ainda na RDC e apenas um terço deseja regressar voluntariamente a Angola.

Os mais de 47 mil angolanos que decidiram fixar residência no país que os acolheu durante décadas aguardam pela atribuição do documento de cidadania angolana até 2015.

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG