Links de Acesso

Reforma das Forças Armadas dominam o debate na Guiné-Bissau

  • Lassana Casamá

General Antonio Indjai

General Antonio Indjai

Posse do novo chefe de Estado Maior das Forças Armadas é ponto de partida para a tão espera reforma do sector.

Na Guiné-Bissau, depois da nomeação e tomada de posse do novo chefe do Estado-Maior das Forças Armadas Biague Na Tan, aguarda-se agora a indicação dos chefes dos ramos do exército.

Enquanto isso, a ruptura ou não com o passado recente dos militares guineenses representa, de momento,motivo de reflexão entre os actores políticos e intelectuais guineenses.

O contexto político-militar que envolve a exoneração do General Indjai e a consequente nomeação de Biagué Na T, expressa uma visão analítica bem acentuada.

Para Filomena Mascarenhas Tipote, que já foi ministra da Defesa Nacional, falar da reforma no sector da defesa e segurança, considerada crucial para a estabilidade efectiva do país, há que sublinhar várias questões que têm que ser respondidas.

Tipote assinala as verdadeiras razões de crispação crónica no interior das Forças Armadas da Guiné-Bissau, apontando o diálogo como uma arma adequada para garantir a estabilidade no sector.

Em função deste cenário, a especialista discorda com o argumento de que com a nomeação do novo Chefe de Estado-maior, o país vai poder respirar, em definitivo. Mascarenhas Tipote acredita mesmo que a única saída é não personalizar, mas sim institucionalizar as Forças Armadas guineenses.

XS
SM
MD
LG