Links de Acesso

Reconciliação nacional vai ser alvo de discussão em Angola


Agostinho Sikato

Agostinho Sikato

História "intocável" já esteve em análise em Luanda. "Queima de bruxas" na Jamba, massacres governamentais de 1977 e 1993 foram discutidos em Luanda

Partidos políticos, membros e organizações da sociedade civil e a comunidade académica deverão no final do mês discutir a reconciliação nacional em Angola que muitos dizem não existir ou estar em perigo.

Recentemente dirigentes de partidos da oposição têm afirmado que o calar das armas há 13 anos atrás ainda não se traduziu numa verdadeira paz e numa verdadeira reconciliação, sublinhando recentes ataques contra militantes e mesmo deputados da oposição.

A iniciativa para a mesa redonda é do Centro de Debates e Estudos Académicos cujo presidente Agostinho Sikato, diz que o objectivo é promover o espírito de reconciliação nacional através da abordagem franca, aberta e sobretudo político-científica do assunto.

“Acho por bem que a comunidade académica deve ser o motor principal para que as instituições políticas despertem o sentido da própria paz e reconciliação nacional”, sublinhou.

O Centro de Debates e Estudos Acadêmicos entende que temas como a reconciliação nacional e a história de Angola ainda são sensíveis.

Agostinho Sikato diz que por isso, a sociedade angolana “finge” estar reconciliada, pelo que defende por outro lado, que as instituições existentes para o efeito devem fazer mais para a reconciliação entre os angolanos outrora desavindos.

Para o também docente universitário a convivência entre militantes de partidos políticos no território angolano ainda não é salutar, situação que tende a resultar em actos de intolerância política, sobretudo no interior de Angola. Várias pessoas já morreram vítimas da intolerância política.

De temas sensíveis a história de Angola está repleta, diz o académico.. Ao longo dos 40 anos de independência, que assinalam a 11 de Novembro do corrente, muitos factos tiveram lugar neste espaço territorial e que até a presente data ainda não foram esclarecidos.

Com o objectivo de “reflectir sem reservas” sobre alguns aspectos sensíveis da história de Angola, a Associação Justiça, Paz e Democracia realizou de 14 á 16 deste mês a 1ª Conferência Nacional sobre "O Direito à Verdade e à Memória Colectiva como Direitos Humanos na Construção do Estado Democrático de Direito".

Para a AJPD, a conferência pretendeu promover um espaço de discussão inclusiva entre várias pessoas, em busca de mais informações sobre o processo de afirmação da história de Angola, sobretudo das causas e da origem do conflito.

“O que nós pretendemos com esta conferência é exatamente olhar para o passado de modo a que as gerações atuais e futuras não possam repetir os mesmos erros que a geração de libertação cometeu ao longo desses anos”, explicou António Ventura Membro da direcção daquela organização não governamental que promoveu o debate.

O certame reuniu além de políticos, académicos, estudantes universitários, jornalistas, membros da sociedade civil entre outros.

Reginaldo Silva, jornalista e sobrevivente do 27 de Maio de 1977, contou na primeira pessoa as amarguras que viveu após ter sido preso na sequência da famosa “intentona golpista”.

Mais do que o número de mortos, a violação dos direitos humanos e das famílias que perderam ente-queridos na sequência de desconfianças de uma tentativa de realização de um golpe de Estado contra o presidente angolano na altura, António Agostinho Neto, Reginaldo Silva manifestou-se preocupado com a falta de interesse do MPLA, partido no poder em Angola, 38 anos depois, em reconciliar-se com a história, esclarecendo a chassina.

“O que me preocupa 38 anos depois é efectivamente a nossa história e, sobretudo o partido que teve mais a ver com esta tragédia não ter conseguido recociliar-se com a sua própria história. Não ter conseguido resolver todo um conjunto de situações que a repressão criou e que o próprio MPLA admitiu como consequência desta situação muitos angolanos foram afectados, muitas famílias viram os seus direitos afectadas”, sublinhou.

Para Reginaldo Silva, sobram apenas dúvidas sobre o número de possoas mortas em resultado da repressão contra a susposta tentativa de golpe de estado.

O jornalista e analista político mostra-se céptico em relação a um possível pronunciamento ofocial do Estado sobre o número exacto de mortos. Para si, há cada vez menos interesse em se recuperar a história.

De tema sensível a tema sensível na mesa redonda promovida pela AJPD também foi abordada a intitulada “Queima das Bruxas na Jamba”.

Eugénio Manuvakola, deputado e membro da direcção da UNITA não refutou as acusações segundo as quais durante o tempo de guerra, na mata, o seu partido levou a cabo uma campanha que visava queimar pessoas acusadas de prática de feitiçaria.

O político considerou a informação como pública que para si “pode ser confirmada por qualquer pessoa que esteve na Jamba”.

A questão, segundo o responsável , deu lugar à necessidade de um debate interno que até agora ainda não foi acertado, pelo que ainda se precisa esclarecer as vítimas, que existem mesmo a nível da direccção da UNITA.

“Este é um problema que criou dentro do nosso partido a necessidade de um debate interno, que se calhar ainda não fizemos, que precisamos fazer para nós podermos acertar quem é a vítima morta e quem é a vítima viva”, disse o político acrescentando que “vítimas são muitas”, até mesmo na direcção do partido.

Eugénio Manuvakola entende que existem muitos passivos que tiveram lugar “na mata”, entre os quais a “queima das bruxas, que segundo o político afectou a todos”.

Manuvakola disse também que o probelma reside na crença ao feiticismo, por isso aproveitou a ocasião para esclarecer que é “um problema que afecta a UNITA, mas que precisa antes de mais ser internamente abordado, e neste sentido apelou à sensibilidade da sociedade angolana”.

“Gostaria de pedir aqui ao nosso auditório que nos deixassem fazer o trabalho de casa. O trabalho de casa é a UNITA abordar o assunto internamente e acertar, porque é por dentro que ainda temos de conversar”, sublinhou reafirmando que “o problema aconteceu”, mas ainda carece de uma discussão interna.

O 27 de Maio e a queima de bruxas na Jamba não foram os únicos assuntos abordados nesta mesa redonda. Tunga Alberto, antigo presidente da Assembleia do Conselho de Coordenação dos Direitos Humanos contou a experiência que viveu na “Sexta-feira Sangrenta” outro facto da história de Angola que levou a vida de centenas de angolanos em Janeiro de 1993.

“A acção passava em simultâneo em mjuitas províncias Nas lundas prendiam jovens bacongo metiam num contentor, fechavam, a pós a sua morte iam deitar nas valas comuns, na altura já existia a cultura de valas comuns. O que aconteceu é terrível e se estamos em vida é porque Deus permitiu”, disse acrescentando que o que esta experiência criminosa foi ensaiada nos Congos Brazaville e Domcrático contra a etnia dos Bakongo.

São factos como os narrados por Reginaldo Silva, Tunga Alberto e Eugénio Manuvakola que o Centro de Debates e Estudos Acadêmicos pretende abordar em livro, num projecto que visa “fazer um estudo sobre a história recente de Angola”.

Agostinho Sikato, presidente do CDEA, esclareceu que o que se pretende é dar a conhecer ao público os grandes acontecimentos da história recente do país. Para o efeito, o estudo deverá abranger os anos que vão de 1950 à 2012, repartidos em vários periodos e temas.

“Estamos a tratar da história recente apenas, e delimitamos e repartimos em 4 partes: 1950-1974, 1975-1991, 1992-2002, 2003-2012. Estes são os peridos a estudar. As áreas específicas também elegemos algumas com o é o caso da histórial social, história política, histórial militar, história cultura e a 5ª é a história económica”, disse o acadêmico esclarecendo por outro lado que é neste periodo que tiveram lugar os grandes acontecimentos da história recente de Angola.

XS
SM
MD
LG