Links de Acesso

Raiva mata em Malanje

  • Isaías Soares

Malanje - canil delapidado

Malanje - canil delapidado

Situação é "preocupante" com centenas de pessoas mordidas por cães, enquanto as autoridades apelam à vacinação de animais domésticos

Pelos menos quatro pessoas morreram na província de Malanje em Janeiro e Fevereiro deste ano, vítimas de raiva, confirmou em Malanje o chefe do departamento provincial do Instituto dos Serviços Veterinários da Direcção da Agricultura e Desenvolvimento Rural, médico-veterinário Luís Mourão Capitia.

No referido período, 800 pessoas foram mordidas por cães, precisou o responsável ao considerar de preocupante a situação, por se conhecer apenas os casos que chegam ao conhecimento das autoridades da região.

“Nós estamos a fazer uma campanha de contenção devido aos casos de raiva que aconteceram nos primeiros dois meses na província de Malanje e, fundamentalmente, no município-sede por terem sido mordidas acima de 800 pessoas, o que causou quatro óbitos”, confirmou.

Desde a segunda-feira última, 30 de Março, o Instituto Veterinário tem disponíveis quatro mil doses de vacina para imunizar de cães, gatos e macacos.

Há mais de uma década que o referido Instituto aguardava por um canil-gatil em condições aceitáveis na capital da província, mas agora que está concluída a obra da infra-estrutura a sua inauguração vai acontecer depois da instalação dos equipamentos em falta.

“Faltam alguns meios para podermos ter que capturar os animais, de forma a diminuir os animais na rua e de rua, há necessidade de termos as viaturas tecnológicas para o transporte de animais, faltam alguns meios para a captura e os meios para eutanásia, ou seja, a droga que a gente vai utilizar para sacrificar o animal com menos sofrimento possível”, especificou.

O especialista convidou os munícipes a levarem os seus animais de estimação aos postos fixos do Instituto Veterinário e os espaços que estão a ser abertos nos diferentes bairros periféricos da urbe, porque a doença não tem cura e a imunização é grátis.

O chefe de departamento mostrou-se apreensivo com o comportamento das pessoas “que só vêm quando há casos de raiva", para dizer que "temos de aprender sempre a prevenir porque a raiva é uma doença que não tem cura, e quando estiver já instalada não tem como tratar”.

“Só não sente quem nunca viu um cão a morrer com raiva, quanto mais uma pessoa é triste, é arrepelante”, lembrou.

A expansão da campanha de vacinação contra raiva a caninos, felinos e símios em toda circunscrição acontece de 15 de Maio a Junho deste ano, com maior atenção aos municípios de Massango e Marimba, inacessíveis durante a estacão chuvosa.

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG