Links de Acesso

Primeiro-ministro da Guiné-Bissau enfrenta o Presidente da República

  • Lassana Casamá
  • Alvaro Ludgero Andrade

Domingos Simões Pereira, primeiro-ministro da Guiné-Bissau

Domingos Simões Pereira, primeiro-ministro da Guiné-Bissau

Domingos Simões Pereira diz que vai recorrer a todos os mecanismos legais para evitar a queda do seu Executivo e responsabiliza José Mário Vaz.

O primeiro-ministro da Guiné-Bissau garantiu na tarde desta quinta-feira, 6, que vai recorrer a todos os mecanismos legais para lutar "contra a decisão deliberada" do Presidente da República de derrubar o seu Executivo.

Domingos Simões Pereira classificou a acção do Presidente de "falta grosseira de ponderação sobre as implicações e o alcance de tal medida para ordem interna e estabilidade".

Para o primeiro-ministro, essa pretensão de José Mário Vaz é "um rude e traiçoeiro golpe à esperança que a todos tem animado" e garantiu que tomará todas as medidas para "responsabilização política" de quem provocar a instabilidade no país.

Num discurso à Nação depois de se reunir com partidos políticos e corpo diplomático, Simões Pereira avisou que vai recorrer a "todos os mecanismos e dispositivos legais e democráticos para preservar a ordem e evitar a interrupção desta caminhada do país rumo à paz e ao desenvolvimento".

A remodelação governamental proposta pelo primeiro-ministro, a gestão de fundos da mesa redonda de doadores e o regresso ao país do contra-almirante Zamora Induta, antigo chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas, foram apontadas por Simões Pereira como sendo os grandes entraves no relacionamento entre ele e José Mário Vaz.

Entretanto, o Presidente da República continua a ouvir os partidos políticos e convocou para esta noite uma reunião do Conselho de Estado que, segundo a Constituição, é o último passo antes de demitir o Governo.

Antes da intervenção de Domingos Simões Pereira, o correspondente da VOA em Bissau fez a leitura da crise política.

Ouça:


Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG