Links de Acesso

Poder quer matar Luaty, diz antigo grevista de fome

  • Coque Mukuta

Nélson Pestana Bonavena

Nélson Pestana Bonavena

Nélson Pestana Bonavena esteve em greve de fome durante 21 dias na década de 1980.

"O poder quer matar Luaty Beirão", acusa o professor universitário Nelson Pestana Bonavena que, no passado, fez uma greve de fome de 21 dias em protesto contra o que considerou ser uma detenção injusta.

"A decisão de uma greve de fome não é uma decisão leviana e toma-se quando o prisioneiro percebe que foram esgotados todos os meios possíveis para exigir a justiça".

Em 1980, Bonavena fez uma greve de fome de 21 dias para protestar contra as injustiças que, na altura, diz ter sofrido enquanto preso político.

Para aquele cientista político, o grevista começa a sentir efeitos fortes da falta de alimentos logo nos primeiros dias, como a “perda de força progressiva e falência de órgãos”.

Aquele antigo grevista garante que apenas a satisfação da exigência leva o grevista a suspender a acção, como foi o caso dele.

Questionado sobre sequelas, aquele professor diz não saber que consequências possam ter, mas afirma que terá ficado com sequelas dos “maus-tratos do regime na altura, tais como agressões”.

Greve de fome pode levar à morte em cerca de um mês, Luaty já cumpriu 36 dias.

Na conversa com a VOA, Nelson Bonavena acusa o Presidente da República de querer eliminar Luaty Beirão, e atribui a José Eduardo dos Santos a responsabilidade por aquilo que acontecer com o activista em greve de fome há 36 dias.

“O Presidente da República tem toda a responsabilidade caso aconteça alguma coisa ao Luaty porque quando o Luaty quer apenas responder em liberdade e o poder acha que não pode, é porque quer matá-lo”, diz Bonavena.

Hoje, os familiares que visitam Luaty Beirão garantem que ele continua em estado crítico, mas lúcido.

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG