Links de Acesso

Partidos entregam candidaturas às eleições em São Tomé e Príncipe

  • VOA Português

São Tomé e Príncipe, Primeir-ministro Gabriel Costa, Agosto 4, 2014

São Tomé e Príncipe, Primeir-ministro Gabriel Costa, Agosto 4, 2014

Primeiro-ministro Gabriel Costa garante realização das eleições a 12 de Outubro.

O primeiro-ministro de São Tomé e Príncipe Gabriel Costa será o candidato à Chefia do Governo pelo partido União para a Democracia e Desenvolvimento. A inscrição do UDD, liderado por Costa, mas sem assento parlamentar, aconteceu ontem, 12, último dia para o registo de todas as candidaturas às eleições de 12 de Outubro no arquipélago.

Depois do partido Acção Democrática Independente (ADI) e do Partido da Convergência Democrática (PCD), agora foi o MDFM/PL e o MLSTP/PSD que apresentarm ao Tribunal Constitucional a lista dos seus candidatos às eleições legislativas.

Adelino Lucas, secretário-geral do partido liberal liderado pelo ex-Chefe de Estado Fradique de Menezes, agora candidato a primeiro–ministro, diz que vai atrás da maioria absoluta, embora defenda a estratégia de partilha do poder em coligação, no âmbito do protocolo existente entre os três partidos da esfera do poder no arquipélago.

Célia Posser, mandatária do MLSTP-PSD, reconfirmou o economista Osvaldo Vaz como candidato ao cargo de primeiro-ministro.

Posser advogou também o estatuto do partido «histórico», com 42 anos, actualmente com 21 deputados, para salvaguardar a responsabilidade do MLSPT-PSD para com o povo.

Por sua vez, Armindo Graça, da UDD, anunciou a participação deste partido nas legislativas e autárquicas em todos os distritos do país, mas optou pela aliança política com a UMPP na eleição regional na ilha do Príncipe.

De acordo com Armindo Graça, a aposta em Gabriel Costa para renovação do cargo de Primeiro-ministro deve-se ao facto de ter «travado a ameaça de caos», defendida por algumas forças políticas, bem como «a boa concertação político-institucional» entre os órgãos de soberania compreendendo o Presidente da República, os Tribunais, o Governo e a Assembleia Nacional.

Entretanto, em resposta ao pronunciamento ontem do ADI que pos em causa a realização das eleições por falta de dinheiro, o primeiro-ministro Gabriel Costa garantiu hoje que o acto eleitoral realiza-se na data prevista.

As eleições realizam-se a 12 de Outubro.

XS
SM
MD
LG