Links de Acesso

Parentes de detidos em Chimoio revoltados com adiamento do julgamento


Polícias da brigada PIR em Chimoio(Arquivo)

Polícias da brigada PIR em Chimoio(Arquivo)

Os cinco detidos regressam ao tribunal na Segunda-feira juntamente com os políciasm envolvidos na operação.

André Baptista

Um tribunal de Chimoio, capital de Manica suspendeu ontem a audiência dos cinco apoiantes da RENAMO detidos durante os confrontos com a Polícia, na semana passada. O juiz Carlos Mondlane, marcou a audiência para a próxima Segunda-feira, dia 6, na qual deverão estar presentes os policias envolvidos.

Cremildo Quembo, da defesa Had-oc, referiu que o julgamento está a decorrer nos tramites legais e assegurou que a suspensão da audiência insere-se nos procedimentos processuais, para o contraditório da matéria constante nos autos.

"O juíz decidiu chamar os polícias que estiveram envolvidos na operação para que possam testemunhar porque não estão no processo", explicou Quembo.

O adiamento não foi bem recebido por dezenas de familiares dos jovens detidos, com idades entre 17 e 35 anos, que acusam as autoridades de criarem um expediente para manterem os acusados na cadeia.

Eles sustentam que a sua detenção foi um escape da Polícia para justificar uma acção desnecessária, pois a audiência de ontem provou que nenhum deles estava envolvido de forma directa ao comício do partido.

O genro de Luisa Chaimite estava a lavar carros quando começaram os incidentes. "Ele foi levado, espancado e metido no carro pela polícia, fomos à esquadra e disseram que seria libertado logo, mas continua lá", diz Chaimite.

Por seu lado, o chefe do protocolo da Renamo em Manica, Munongolo Campira, que acompanha o julgamento, considerou a suspensão da audiência como uma manobra dilatória da justiça, com interesses políticos e admitiu que os jovens presos não são membros do partido, nem estavam envolvidos nos confrontos.

O dirigente da Renamo reitera que os seus homens não dispararam nem tiveram qualquer atitude agressiva e que foi a polícia que protagonizou os incidentes.

Munongolo Campira diz não estar satisfeito com a suspensão da audiência

A polícia moçambicana e apoiantes da Renamo envolveram-se em confrontos a 25 de Março quando o Governo municipal proibiu um comício do líder do partido, Afonso Dhlakama, no Estádio Municipal de Chimoio. Do conflito resultaram cinco feridos e 17 pessoas intoxicados por gás lacrimogéneo, lançado por um cordão de segurança dos elementos Polícia, da Força de Intervenção Rápida e do Grupo Operativo Especial (GOE).

O julgamento será retomado na Segunda-feira, 6 de Abril.

XS
SM
MD
LG