Links de Acesso

PAIGC considera ilegal indicação de novo primeiro-ministro

  • Lassana Casamá

O PAICG, partido mais votado nas eleições de 2014 e convidado pelo Presidente da República para indicar o nome do primeiro-ministro não aceita a decisão de José Mário Vaz de indicar uma pessoa não proposta pelo partido. Nesta quinta-feira, o Chefe de Estado indicou o terceiro vice-presidente do PAICG Baciro Dja, antigo ministro da Presidência do Conselho de Ministros do Governo de Domingos Simões Pereira.

João Bernardo Vieira, porta-voz do partido vencedor das últimas eleições legislativas, classificou de ilegal o decerto presidencial que nomeia o novo primeiro-ministro, tanto assim que a sua formação política ficou surpreendido com o mesmo.

A decisão indica a abertura de uma nova fase da crise política vigente no pais.

Por seu lado, o Movimento Nacional da Sociedade Civil, estrutura que congrega mais de uma centena de organizações não governamentais, continua os seus esforços junto dos partidos políticos, com o objectivo de coordenar acções, com vista a salvar o pais da actual crise política.

Luís Nancassa, daquele movimento também não entende a decisão de José Mário Vaz.

Os argumentos do Presidente da República assentariam no facto do primeiro-ministro, por ele nomeado, fazer parte da direção do PAIGC.

Mas, para a Sociedade Civil guineense, tal como muitos defendem, este argumento não colhe e prometem acções nos próximos dias.

De referir que momentos antes da publicação do decreto presidencial, o Chefe de Estado esteve reunido com o representante especial do secretário-geral das Nações Unidas na Guiné-Bissau Miguel Trovoada.

XS
SM
MD
LG