Links de Acesso

Oposição admite rejeitar eleições em Moçambique

  • João Santa Rita

MDM e Renamo alegam "irregularidades generalizadas"

As eleições gerais em Moçambique realizadas ontem, 15, podem vir a ser rejeitadas pela oposição que diz ter havido irregularidades generalizadas no processo eleitoral.

A Renamo e o MDM disseram à VOA que estão agora a estudar os seus próximos passos.

António Muchanga, da Renamo, denunciou “irregularidades generalizadas propositadas” em todo o país.

“Muita gente não votou por não constar dos cadernos, mas cujos nomes contavam nos cadernos de réplica, houve a abertura tardia de votação quando muitas pessoas já tinham abandonado os locais, houve demora na credenciação dos delegados de lista dos partidos e os partidos não puderam estar em todas as mesas para certificar o que estava a acontecer”, revela Muchanga, acrescentando que o seu partido deverá ainda hoje emitir um comunicado oficial sobre a questão.

Por seu lado, Lutero Simango, porta-voz do MDM, afirmou que o seu partido não está satisfeito com o processo que se inciou “muito mal sem a presença dos fiscais dos partidos politicos da oposição”.

Simango adiantou que os seus representantes foram excluídos devido ao facto do Secretariado Técnico da Administração Eleitoral “não ter dado credenciais aos fiscais a horas”.

Como consequência, diz que "nas primeiras horas da manhã não foi possível testemunhar o processo e obviamente não sabemos o que aconteceu”, contou Simango para quem isto foi “uma situação generalizada em todo o país”.

O porta-voz do MDM disse que o assunto está agora a ser analisado pelos “órgãos competentes do partido” e “obviamente" haverá uma reacção.

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG