Links de Acesso

ONU Mulheres repudia a violência contra a mulher em Moçambique

  • Amâncio Miguel

Violência acontece normalmente nos espaços públicos.

A representante da ONU Mulheres em Moçambique, Florence Raes, repudia “o atroz caso de violação perpetrado por cinco indivíduos, que causou a morte de Hanifa Tembe”, no dia 6 de Junho, em Xipamanine, bairro de Maputo.

Raes está igualmente indignada com a morte de uma menor de 16 anos, que foi violada, por quatro pessoas, em Guava, também nos arredores de Maputo, na semana passada.

A organização pede às autoridades para agirem nestes e outros casos de violência contra a mulher, que normalmente acontecem nos espaços públicos e são impunes.

“A tolerância social da violência contra as mulheres e raparigas é inaceitável”, escreve Raes numa nota à imprensa.

Júlio Langa, coordenador da Rede Homens pela Mudança, também condena os dois casos.

“Nós ficamos de braços cruzados como se fosse uma situação perfeitamente normal e há vezes que até queremos culpabilizar as mulheres e raparigas vítimas”, critica Langa.

O activista defende um trabalho contínuo para evitar a ocorrência da violência e não apenas reacção aos crimes.

“O Estado moçambicano tem de ser mais forte na educação dos homens e na abordagem das raízes que conduzem à violência,” diz Langa.

A ONU Mulheres, entidade das Nações Unidas pela igualdade de género, tem apoiado o governo de Mopçambique e organizações da sociedade civil na resposta à violência no país.

Na sua nota, Raes, destaca o início da recolha de evidências sobre a violência contra a mulher nos espaços públicos, em parceria com o município de Maputo e Cooperação Espanhola.

XS
SM
MD
LG