Links de Acesso

Obama aperta controlo de vendas de armas e abre guerra com os republicanos

  • Redacção VOA

Obama emocionou-se ao anunciar as medidas

Obama emocionou-se ao anunciar as medidas

Presidente americano diz recusar a aceitar "esses massacres".

O Presidente americano anunciou nesta Terça-feira uma série de medidas para combater a violência armada no país.

Em discurso na Casa Branca, Barack Obama defendeu uma maior fiscalização nas vendas dos armamentos, a regulamentação da venda de armas e redução da ilegalidade.

Obama afirmou que o país deve ter um "senso de urgência" para enfrentar a onda de tiroteios em massa nos últimos anos.

"Nas palavras do Dr. King, precisamos sentir a urgência do agora”, disse o Presidente americano.

A principal medida visa generalizar a obrigatoriedade de uma estrita revisão dos antecedentes criminais e do estado psiquiátrico de qualquer comprador de arma.

Recusando "aceitar estes massacres", Obama, que se mostrou visivelmente emocionado, anunciou que quem vender armas passa a ser obrigado a ter licença e a fazer a análise do passado dos compradores.

“Se não o fizer ficará sujeito a acções legais”, garantiu.

Outra das medidas passa por reforçar o orçamento para a saúde mental.

A Administração Obama propõe que o orçamento para 2017 contenha 500 milhões para o tratamento de doenças mentais.

Além disso, os Estados deverão fornecer informações sobre a saúde mental dos seus habitantes, permitindo que os dados estejam disponíveis se essas pessoas quiserem comprar uma arma.

Obama recordou que "até o Presidente George W. Bush apoiou a expansão da análise do historial dos compradores", e sublinhou que a NRA, o poderoso lóbi das armas, o faz, tal como a maioria dos eleitores republicanos”.

O Presidente acusou o Congresso de insistir em bloquear a mudança na lei e garantiu que, “o lóbi das armas pode ter o Congresso refém, mas não pode ter a América refém" dos seus interesses".

Obama garantiu que as acções executivas que vai tomar não entram em conflito com a segunda emenda da Constituição.

"Eu acredito na segunda emenda, como está no papel, que garante o direito de portar armas", reiterou Obama na cerimónia em que estiveram presentes vítimas da violência armada e suas famílias.

"Não importa quantas vezes as pessoas tentam distorcer as minhas palavras, que é o nosso direito constitucional. Eu sei um pouco sobre isso. Mas eu também acredito que nós podemos encontrar maneiras de reduzir a violência armada com base na segunda emenda", sublinhou Barack Obama.

Durante a cerimónia, o pai de uma das vítimas do ataque à escola primária de Sandy Hook, em 2012, disse que esta é uma luta que o presidente não pode fazer sozinho.

Com esta iniciativa, Obama prepara-se para desencadear uma tempestade ao ignorar o Congresso, recorrendo às ordens executivas para passar estas medidas.

Segundo os republicanos, que têm a maioria tanto na Câmara dos Representantes como no Senado, o Presidente está a ultrapassar os seus poderes.

Recorde-se que o Congresso não aprova uma legislação para restringir o acesso às armas desde os anos de 1990.

As armas de fogo provocam uma média de 30 mil mortes por ano nos Estados Unidos.

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG