Links de Acesso

A Nova Estratégia de Obama para o Afeganistão


A Nova Estratégia de Obama para o Afeganistão

A Nova Estratégia de Obama para o Afeganistão

O objectivo é transferir as operações de combate para as forças de segurança afegãs até ao fim de 2014

Washington,23 Dez, 2010 - Uma das questões centrais da política externa da administração Obama é o conflito no Afeganistão. A mais recente revisão da estratégia da administração Obama para o Afeganistão indica que as tropas americanas irão começar a sua retirada em Julho do próximo ano. O objectivo é transferir as operações de combate para as forças de segurança afegãs até ao fim de 2014, se a situação no terreno o permitir.

Ao apresentar a revisão da sua estratégia, o presidente Barack Obama disse recentemente querer garantir que os afegãos vão assumir a responsabilidade, enquanto os EUA irão continuar a centrar a sua atenção no treino das forças nacionais afegãs.

Disse Obama: “Os objectivos estabelecidos para o crescimento das forças de segurança afegãs estão a ser atingidos. E porque o contributo de instrutores adicionais dos nossos parceiros da coligação, estou confiantes que iremos continuar a atingir os nossos objectivos”.

Mas, o general dos “marines” na reforma, Anthony Zinni, afirma que a situação da instrução militar no Afeganistão não é totalmente positiva. Disse ele: “O treino militar está provavelmente a correr bem tanto quanto posso perceber, mas ainda há um longo percurso ainda a percorrer. O treino da polícia é preocupante. Acho que se deveria haver um maior investimento. Penso haver necessidade de haver um acompanhamento. Há problemas, penso, em termos das patentes não apenas em termos de qualidade e desempenho para garantir que não haja corrupção, mas também no seu relacionamento com a população e isso não tem corrido bem”.

O general Zini e outros afirmam que o problema principal no Afeganistão é uma corrupção em grande escala, que não será fácil cortar pela raiz.

O antigo Secretário de Estado, Lawrence Eagleaburger, que fez parte do governo do presidente George H Bush, em 1992, concorda que combater a corrupção no Afeganistão é uma aposta difícil: “Não há garantia de que o poderemos fazer. Temos enfrentado situações de certa forma idênticas no passado noutros países. Mas é uma tarefa hercúlea e não posso garantir que iremos concretizá-la facilmente”.

Eagleburger também questiona se o presidente afegão, Hamid Karzai, será capaz de combater a corrupção ou se será capaz de governar o país e se será um parceiro fiável para os EUA. Eagleburger questiona-se também sobre se os EUA estarão a investir demasiado dinheiro e demasiadas vidas no Afeganistão.

Por seu lado, o general na reforma Zinni diz que, para que haja sucesso no Afeganistão, terá que existir naquele país um governo razoável com forças de seguranças capazes de combater.

XS
SM
MD
LG