Links de Acesso

Nações Unidas advertem sobre o risco de ataques aéreos em Mosul sacrificarem mais civis

  • Redacção VOA

Iraquiano que diz ter perdido 23 membros da sua família no conflito em Mosul.

Nas últimas quatro semanas, mais de 300 pessoas foram mortas.

O chefe dos Direitos Humanos nas Nações Unidas pede ao exército iraquiano e à coligação liderada pelos Estados Unidos para reconsiderarem as suas tácticas na luta contra o grupo Estado islâmico em Mosul.

Zeid Ra'ad Al Hussein adverte ambos a evitar caiam na “armadilha” do Estado Islâmico e atingir civis.

Os ataques aéreos contra os pontos do Estado Islâmico poderão ter impacto potencialmente letal contra civis, uma vez que o grupo usa grande número de pessoas como escudos humanos, disse Al Hussein.

Segundo a organização, pelo menos 307 pessoas foram mortas e 273 foram feridas, entre 17 de Fevereiro e 22 de Março, a ocidente de Mosul. As mortes, acrescenta, foram causados por todos os intervenientes no conflito.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG