Links de Acesso

Moçambique: Populares voltam a cortar linha férrea de Sena

  • Simião Pongoane

O processo negocial ainda não terminou mas os oleiros voltaram a fechar a linha férrea de Sena.

Em Moçambique, a linha de caminho-de-ferro de Sena foi de novo bloqueada por populares que foram reassentados pela companhia mineira brasileira Vale para permitir a exploração de carvão mineral.
Cerca de oito centenas de oleiros reassentados na província de Tete voltaram a bloquear a linha férrea de Sena no fim-de-semana exigindo indemnizações adicionais à companhia mineira internacional Vale, na sequência da sua transferência das suas zonas de origem para permitir a exploração de carvão mineral.

Os oleiros querem indemnizações adicionais depois de receber o equivalente a 2 mil dólares e uma casa em 2010 durante o processo de reassentamento financiado pela Vale em coordenação com o governo moçambicano.

No mês passado colocaram barricadas na linha férrea de Sena usada pela companhia Vale para o escoamento do carvão ao porto da Beira.

A polícia interveio dispersando pacificamente os manifestantes e logo a seguir as duas partes, ou seja oleiros e a Vale, entraram em negociações para resolver o assunto de forma pacífica.

O processo negocial ainda não terminou mas os oleiros voltaram a fechar a linha férrea de Sena.

O governador de Tete, Rachide Gogo, acusa os oleiros de fazer chantagem e adianta que já não há espaço para nova indemnização depois daquela que foi paga em 2010.
A companhia mineira está entretanto a acumular prejuízos enormes com o bloqueio da linha férrea de Sena, numa altura em que o preço do carvão mineral no mercado internacional está em queda.

Aliás, a sua concorrente, a Rio Tinto, anunciou há quatro dias que vai reduzir a mão-de-obra nas suas operações em Tete, devido a perdas registadas no ano passado. Os investimentos no sector de carvão mineral em Moçambique estão assim em risco.
XS
SM
MD
LG