Links de Acesso

Moçambique: Nervosismo aumenta com aproximação de eleições


Vista de Maputo

Vista de Maputo

A campanha eleitoral começa no dia 5 de Novembro e a situação continua tensa sobretudo na zona centro do país

Em Moçambique as eleições autárquicas marcadas para o dia 20 de Novembro próximo não contarão com a participação da Renamo, e muitos analistas dizem que esse facto agravará ainda mais a tensão político-militar a que se assiste no país.
A campanha eleitoral começa no dia 5 de Novembro e a situação continua tensa sobretudo na zona centro do país, e para o deputado Ismael Mussá, isso significa que não há condições para estas eleições, e sugere a realização, em simultâneo, das legislativas, presidenciais e municipais.

Para aquele deputado, o objectivo desta escalada de conflito é forçar o adiamento das eleições, mas isso tem que ser dito publicamente.

Luis Loforte não tem dúvidas: as eleições vão ser problemáticas, porque haverá uma tendência de se boicotar as eleições.

Para o analista Calton Cadeado, o cenário óptimo é que a votação seja um processo que ocorra nas 53 autarquias sem nenhuma violência. O cenário óptimo que nós desejamos, disse ele, é seja um processo eleitoral que ocorra sem violência, sem perturbação em todas as 53 autarquias, mas não é isso que vai acontecer.

O director do Instituto Eleitoral para a região austral de África, Miguel Brito tem uma opinião diferente, as eleições poderão realizar-se sem problemas de maior, porque a capacidade de distúrbios por parte da Renamo nos centros urbanos onde as eleições vão decorrer é menor do que nas eleições que decorram nas zonas rurais.

Ramos Miguel, VOA-Maputo

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG