Links de Acesso

Paralisação da Linha de Sena causa avultados prejuizos em Moçambique

  • Francisco Júnior

Carlos Mesquita, ministro dos Transportes de Moçambique

Carlos Mesquita, ministro dos Transportes de Moçambique

Sector do carvão é o mais afectado.

A paralisação da circulação de comboios de transporte de carvão mineral na Linha de Sena, no centro de Moçambique, está a acarretar elevados prejuízos económicos.

O pministro dos Transportes e Comunicações. Carlos Mesquita, confirma que a paralisação da circulação de comboios de transporte de carvão mineral na Linha de Sena está a acarretar prejuizos que poderão atingir a fasquia dos 50 milhões de dolares americanos.

Estratégica para o desenvolvimento de Moçambique, a Linha de Sena, localizada na região centro do país, fazendo a ligação ferroviária entre Moatize, uma região rica em carvão mineral, e Beira, na Província de Sofala, onde está instalado o segundo maior Porto marítimo moçambicano, tem cerca de 600 quilómetros.

Neste momento, está totalmente operacional mercê de trabalhos de reabilitação e modernização que somente este ano terminaram.

A Linha serve essencialmente as grandes empresas mineradoras, com destaque para a Vale, multinacional que, por causa de ataques atribuidos à Renamo, desde o ano passado, decidiu paralisar toda a movimentação dos comboios.

A paralisação dura há cerca de dois meses, mas o Mmnistro dos Transportes e Comunicações diz que decorrem discussões para que tais comboios voltem a circular.

Carlos Mesquita revelou que teve um encontro com uma equipa sénior da Vale, que está em Moçambique há alguns dias, e que lhes deu garantias do envolvimento das Forças de Defesa e Segurança, assegurando a protecção e permitindo desse modo que as operações ferroviárias sejam retomadas sem mais sobressaltos.

XS
SM
MD
LG