Links de Acesso

Moçambique inicia processo de selecção de auditor às dívidas ocultas


Adriano Maleiane, Ministro das Finanças de Moçambique

Adriano Maleiane, Ministro das Finanças de Moçambique

FMI reitera que volta a cooperar com Maputo depois da auditoria independente.

A Procuradoria Geral da República (PGR) de Moçambique diz que o processo de selecção da empresa internacional que fará a auditoria às dívidas terá o máximo de 90 dias e deve iniciar em meados de Fevereiro.

Este facto leva a que se coloque em causa o prazo apontado em Londres pelo prórpio Ministério das Finanças aquando da apresentação da invalidade financeira do país.

No entanto, Adriano Maleiane, garantiu que Moçambique tem condições para voltar a recuperar a credibilidade junto de entidades como o Fundo Monetário Internacional (FMI)e países que apoiam o Orçamento de Estado e retomar ritmo normal de crescimento económico.

"É do interesse da Procuradoria Geral da República que esta auditoria aconteça porque ela vai ajudar, porque é uma auditoria que vem com os resultados ou as informações que forem trazidas vão ajudar o processo", comentou procurador Taibo Mucobora.

O processo de selecção do auditor internacional poderá fazer com que a processo inicie em meados de Fevereiro, muito em cima do período definido pelo Governo para preparar um novo programa de ajuda financeira.

No entanto, o ministro da Economia e Finanças, Adriano Maleiane, diz que Moçambique tem condições para voltar a recuperar a credibilidade junto de entidades como o FMI e países que apoiam o Orçamento de Estado e retomar ritmo normal de crescimento económico.

"Nós acreditamos que a Procuradoria Geral da República pode fazer, o Estado vai facilitar e prestar toda a informação. Aquilo que foi discutido vai na direcção certa, nós temos que trazer esta confiança que sempre Moçambique teve e tem que continuar a ter para termos o investimento a fluir no nosso país", disse Adriano Maleine.

FMI não dá outra alternativa

Esta semana o FMI reiterou que não irá disponibilizar ajuda a Moçambique sem que dívida pública esteja estável e que seja concluída a auditoria independente e internacional.

“Eu penso, novamente, que a posição do FMI é bem conhecida acerca da auditoria e foi discutida em Washington, durante a visita do Presidente moçambicano. Foi discutida com a Senhora Lagarde, onde, novamente, emitimos um comunicado. Saudamos a vontade de Moçambique, de realizar a auditoria, e foi acordado que esta auditoria deve ser conduzida de forma independente, por uma reputada empresa de auditoria internacional. Deste modo, o meu entendimento é de que os trabalhos, neste sentido, continuem e nós esperamos pela conclusão, o mais breve dos Termos de Referência. E, novamente, a resposta para a sua pergunta é de que este será um passo importante para a continuidade do nosso apoio a Moçambique” sublinhou o porta-voz do FMI Gerry Rice, em conferência de imprensa, na capital norte-americana, Washington.

Para o analista Francisco Carmona, com este cenário não se vislumbram outras saídas para o Governo moçambicano, se não a realização da auditoria internacional, colocando de lado a hipótese de Moçambique ir buscar outros parceiros o apoio para o Orçamento de Estado.

"Perguntava-me se Moçambique vai virar para outros horizontes, países como China e Índia, a resposta é não, nós já estivemos lá, aliás o que provocou parte desta situação das nossas dívidas é a dívida que fomos buscar à China para construir a ponte de Ka Tembe, para construir os aeroportos. Para se ultrapassar esta situação não há outra saída, se não chegar-se a um entendimento com o FMI, fazer-se a auditoria forense internacional porque aquilo que o FMI disser sobre Moçambique é aquilo que os credores vão seguir", reiterou Francisco Carmona, editor do jornal Savana.

Refira-se que o Executivo moçambicano contratou a consultoria financeira e jurídicaLazard Frères e White & Case LLP, que a partir de agora serão a face do Governo no contacto com os credores.

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG