Links de Acesso

Moçambique: Igrejas apelam ao diálogo

  • William Mapote

Moçambique – Poster do documentário “Caminhos da Paz” de Sol de Carvalho

Moçambique – Poster do documentário “Caminhos da Paz” de Sol de Carvalho

Dinis Sengulane, bispo da Igreja Anglicana, classificou de intolerável o ambiente vivido no país.

As igrejas moçambicanas estão preocupadas com o agudizar da tensão militar no centro do país e exigem dos dirigentes políticos, medidas mais sérias para acabar com o terror que já resultou na morte de dezenas de pessoas, entre militares e civis, apenas neste ano.
Falando nesta sexta-feira em Maputo, na sequência dos confrontos de ontem, que resultaram na morte de pelo menos duas pessoas em Gorongosa, Dom Dinis Sengulane, bispo da Igreja Anglicana classificou de intolerável o ambiente vivido no país.
"A situação que se vive hoje é totalmente inaceitável, intolerável e desnecessária e tentar ficar onde nós estamos é muito mau" disse o bispo.

Dinís Sengulane, que tem sido um dos membros do grupo de contactos entre o governo e a Renamo disse basta ao derramamento de sangue e exige que os dois líderes avancem para um diálogo mais sério, para acabar com a instabilidade vivida.
"Neste momento muitos moçambicanos não estão a dormir e não estão a fazer a sua vida normal. Estão todos negativamente afectados pela presente situação e não há razão para tal, uma vez que os dois líderes podem se encontrar e dialogar" realçou Sengulane.

Enquanto a sociedade civil se desdobra em apelos ao diálogo, quer o governo, quer a Renamo, dizem estar abertos a dialogar, mas em 23 rondas de conversações entre delegações de parte-a-parte, o diálogo revela ser apenas uma retórica.

Apesar dos sucessivos confrontos militares que tem acontecido, o líder da Renamo continua a dizer que Moçambique não está em guerra e tal como Armando Guebuza, também voltou ontem a manifestar abertura para um frente-a-frente, ao mais alto nível, para discutir a crise.

"Não há guerra em Moçambique, eu quero tranquilizar os moçambicanos".
"Eu tenho escutado a rádio e a televisão, que a solução está nas mãos de Guebuza e Dhakama. Dhlakama sou eu e eu não tenho problemas" frisou o líder da Renamo.

Quase no final desta tarde em Maputo, o porta-voz nacional da Renamo, Fernando Mazanga, dava a conhecer, através de mensagens telefónicas, a ocorrência de um ataque das Forças Armadas de Defesa de Moçambique, que alegadamente estava em curso conta posições do seu partido em Gorongosa. Esta informação ainda não foi confirmada.
XS
SM
MD
LG