Links de Acesso

Moçambique: Governo e Renamo alcançam acordo parcial

  • Simião Pongoane

Estância turística sul-africana na Ilha de Inhaca em Moçambique

Estância turística sul-africana na Ilha de Inhaca em Moçambique

Tensão político-militar em Moçambique reflecte-se já na economia com o decréscimo de turistas.

Em Moçambique, o governo e a Renamo aproximaram as suas posições no diálogo político iniciado em finais do ano passado.
Na décima primeira ronda de conversações em Maputo, as duas partes chegaram com efeito a um entendimento parcial incluindo a revisão da lei eleitoral, exigida pela Renamo, com destaque para a composição da Comissão Nacional de Eleições.

É o primeiro fumo branco a sair do centro internacional de conferências Joaquim Chissano, reconhecido pelos chefes das duas partes, a começar por Jose Pacheco, líder da equipa do governo.

Jose Pacheco e Saimone Macuiane, chefes das delegações do governo e da Renamo, respectivamente, falaram com efeito no final da décima primeira ronda do diálogo político.

A paridade numérica na Comissão Nacional de Eleições entre a Frelimo e a Renamo é a principal reivindicação do antigo movimento rebelde.

O seu líder, Afonso Dhlakama, prometeu que se o governo aceitar a paridade numérica nos órgãos eleitores a Renamo vai participar nas eleições municipais marcadas para 20 de Novembro próximo.

O parlamento marcou uma sessão extraordinária para Agosto próximo cuja agenda inclui a revisão pontual da lei eleitoral para acomodar o consenso produzido no diálogo político entre o governo e a Renamo.

Mas o recenseamento eleitoral termina na próxima terça-feira e os membros activos da Renamo não estão a participar no processo, facto que poderá complicar tudo. Analistas acreditam que as eleições municipais poderão ser adiadas para acomodar a Renamo no processo.
XS
SM
MD
LG