Links de Acesso

Moçambique: Baixa aderência ao recenseamento eleitoral

  • William Mapote

Vista da cidade de Maputo (Moçambique)

Vista da cidade de Maputo (Moçambique)

Muitos milhares de eleitores moçambicanos que a 20 de Novembro serão chamados a votar nas 53 autarquias do país, continuam sem aderir ao recenseamento eleitoral, que entrou agora na sua última quinzena. O facto já está a suscitar críticas por parte da oposição.
Segundo dados divulgados em Maputo, pelo Secretariado Técnico de Administração Eleitoral (STAE) desde que o processo se iniciou, há 48 dias, apenas metade dos potenciais eleitores responderam à chamada para se recensearem.

“Os resultados preliminares destes 47 dias de recenseamento eleitoral apontam que já foram registados 26185 eleitores, o que corresponde a um universo de 55,81%. Pelas nossas projecções, tendo em conta o ritmo que estamos a registar neste momento, prevemos que até ao fim do processo possamos atingir 75% dos potenciais eleitores” disse Felisberto Naife, Director Geral do STAE, em conferência de imprensa em Maputo.

As autoridades eleitorais continuam sem saber as razões da fraca adesão dos eleitores, facto que contrasta com as acções de sensibilização que de forma contínua, através de anúnicos nos meios de comunicação e contactos interpessoais, tentam convencer as pessoas a irem recensear-se.

Para já, há receios de que a abstenção que se regista no recenseamento possa traduzir-se numa tendência ainda maior durante a votação em Novembro.
Um dos aspectos que oficiosamente se aponta como razão do fraco interesse do eleitorado pelo processo tem a ver com os anúncios da Renamo de boicote ao processo.

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG