Links de Acesso

Moçambicana Lenna Bahule lança primeiro disco no Brasil

  • Amâncio Miguel

Lenna Bahule

Lenna Bahule

´“A música é primordial, unificadora, porque não tem barreiras,” diz a cantora. ”

O primeiro disco de Lena Bahule é Nômade. Colocado esta semana em formato digital, o álbum tem 12 canções.

Nômade é uma proposta acústica. Tem um cunho, de certo modo, autobiográfico, diz a cantora.

“Sinto-me artista nómada. Não me categorizo, porque as minhas influências são de vários lugares do mundo,” diz Lena.

Ela sublinha que “sendo primeiro álbum, Nômade acaba sendo um resumo da vida” na música.

Lenna Bahule é natural de Maputo, onde aos cinco anos começou a aprender a tocar piano, na Escola Nacional de Música. É filha de um DJ daquela cidade capital de Moçambique.

Durante oito anos, o piano foi seu instrumento principal, mas no início da carreira, em 2006, optou pela música vocal e corporal, “porque essa é a mais genuína, mais natural (…) comum a todos nós, e todo o mundo pode usar o seu corpo para fazer música”.

Antes da carreira a solo, Lenna foi corista de Stewart Sukuma. Fez parte do TP50, um colectivo moçambicano que se distingue na interpretação de clássicos brasileiros.

E num mundo que diz ter convulsões, Lenna acredita no poder das artes, da música, em particular, para partilhar mensagens positivas, por ela ser “primordial, unificadora” e não conhecer barreiras.

Nessa onda, ela procura com a sua música ajudar a erguer “um mundo mais harmónico, pacifico, em que as pessoas dialogam, cuidam-se” e preservam a terra, “porque não tem outro planeta para a gente morar”.

A partir de São Paulo, onde vive desde 2012, Lena conta parte do seu percurso musical. Acompanhe:

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG